Adiantamento do décimo terceiro: 4 dicas para não errar

Início » Blog » Departamento pessoal » Adiantamento do décimo terceiro: 4 dicas para não errar

Adiantamento do décimo terceiro: 4 dicas para não errar

Tempo de leitura: 4 minutos

O décimo terceiro salário pode ser parcelado em duas vezes, como mencionamos no post sobre quem tem direito ao décimo terceiro. Quando a empresa opta por essa divisão, a primeira parcela é chamada de adiantamento do décimo terceiro.

Ela pode ser paga em qualquer mês do ano, até junto com as férias. Seu cálculo inicial é simples, mas cada colaborador tem uma situação diferente dentro da empresa, que deve ser considerada antes do pagamento.

A seguir, você confere 4 dicas para não errar na hora de fazer o adiantamento do décimo terceiro. Confira!

1. Verifique as horas extras trabalhadas no ano

Quando o cartão de ponto do funcionário demonstra que ele trabalha além de seu horário repetidamente, durante pelo menos 6 meses, significa que ele tem horas extras habituais, que incidem no 13º.

Nesses casos, o total de horas trabalhadas a mais durante o ano deve ser dividida pela quantidade de meses trabalhados, criando assim uma média anual.

Digamos que o controle de horas extras de um colaborador com mais de um ano de contratação mostra que ele fez 10 horas extras por mês entre março e setembro (durante 6 meses), totalizando 60 horas extras.

Para pagar seu 13º em outubro, devemos dividir as 60 horas pelos meses trabalhados no ano, portanto de janeiro até outubro (10 meses). 60 : 10 = 6. Ele tem, em média, 6 horas extras por mês.

Assim, a base de cálculo será composta pelo valor do último salário recebido somado à média de horas extras obtidas a partir do controle de ponto do colaborador. No exemplo acima, seria o salário de outubro somado à 6 horas extras. Para empresas adeptas do banco de horas, não é necessário fazer essa conta.

2. Faça um levantamento da data de contratação de cada funcionário

O valor do adiantamento do décimo terceiro depende da quantidade de meses trabalhados no ano. O valor base é o do salário do último mês trabalhado.

O valor base deve ser dividido por 12 e então multiplicado pelo número de meses trabalhados naquele ano. Por exemplo, para pagar em novembro o adiantamento de um funcionário contratado em agosto, deve-se dividir o salário de outubro por 12 e multiplicar por 3, pois foram trabalhados os meses de agosto, setembro e outubro (3 meses).

Deve ser considerado mês integral sempre que o funcionário trabalhar mais de 15 dias dentro do mês, ou seja, se a contratação ocorreu depois do dia 16, esse mês não é considerado no cálculo. Caso a contratação ocorra até o dia 15, significa um mês a mais para ser considerado no cálculo do 13º.

O resultado deve ser dividido pela metade. A primeira parte é o adiantamento, que deve ser pago até o dia 30 de novembro. A segunda parcela deve ser paga até 20 de dezembro. É nela que serão descontados os valores de INSS e imposto de renda.

3. Calcule os descontos por faltas e afastamentos

Para calcular o adiantamento do décimo terceiro, são considerados apenas os meses em que o funcionário trabalhou mais de 15 dias. Esse dado pode ser acompanhado por meio de um software de controle de ponto. Quando o colaborador acumula mais 15 dias de faltas sem justificativa, é como se não tivesse trabalhado naquele mês.

Por exemplo, para pagar o adiantamento do décimo terceiro em novembro para um funcionário contratado em janeiro, o cálculo seria de 10 meses de trabalho (janeiro a outubro). Mas se em abril ele faltou sem justificativa em 16 dias, seu 13º será calculado como se tivesse trabalhado apenas 9 meses naquele período.

O mesmo vale para empregados afastados por doença por mais de 15 dias. O empregador deve pagar apenas pelos meses trabalhados durante 15 dias ou mais, o restante do valor será pago pelo INSS.

4. Programe-se para não atrasar o pagamento

O setor financeiro deve preparar-se durante o ano todo para pagar o adiantamento do décimo terceiro. Em teoria, cada empregado recebe o valor correspondente à um salário mensal, dividido em duas parcelas. Ou seja, é um gasto alto para a empresa, que exige uma boa gestão financeira empresarial. Caso contrário, o atraso no pagamento gera multas pesadas.

Agora que você já sabe como pagar o adiantamento do décimo terceiro, quer receber mais dicas práticas para não errar nos cálculos do RH? Assine agora a newsletter do Tangerino!

 

Sobre o Autor:

Formado em Ciências da Computação e Pós Graduado na FGV, se destacou logo no início de sua carreira como Líder Técnico em projetos em fábricas de Software. Em 2007, mudou-se para Londres para atuar como Arquiteto Java na empresa Britânica Boltblue Corp. Na volta, fundou a Framework, empresa que vem se consolidando há 10 anos. Hoje ocupa a função de Diretor Executivo na Framework, e Tangerino (Startup criada com seus sócios).
Nosso site faz o uso de cookies e outros serviços de terceiros.
Para mais informações veja nossa Política de Privacidade.
Ok