Política de admissão e demissão: como criar a sua?

Início » Blog » Gestão Empresarial » Política de admissão e demissão: como criar a sua?

Política de admissão e demissão: como criar a sua?

2019-06-26T14:43:48+00:0014/01/2019|Gestão Empresarial, Todos os nossos artigos|
Tempo de leitura: 4 minutos

Admissão e demissão são dois processos habituais no setor de Recursos Humanos. No entanto, é preciso tratá-los com a devida seriedade para que a empresa atinja seus objetivos estratégicos.

Contratar a pessoa certa para o cargo certo evita que a organização tenha altos índices de turnover. Ter uma política de demissão bem estruturada evita problemas posteriores, como processos trabalhistas, por exemplo. Quando ambas atividades correm bem, há redução de custos em gestão de pessoas e maior produtividade na empresa.

Em outras palavras, ter políticas de admissão e demissão não só permite padronizar os processos, mas também gera uma série de benefícios para o departamento de RH. Saiba agora como estruturar essas políticas e obter o melhor desempenho em gestão de pessoas!

Processo de admissão

O processo de admissão é o que acontece desde o momento em que a empresa abre uma vaga até a contratação efetiva do novo funcionário. Cada empresa tem suas particularidades, mas algumas etapas são essenciais para o sucesso na escolha desse colaborador.

Definição de perfil

Para começar, os gestores do departamento de RH precisam definir o perfil do funcionário desejado.

Essa definição ajuda a diminuir erros na hora de escolher um profissional, pois deixa claro para todos os envolvidos quais são os pré-requisitos para contratação.

Para isso, é necessário pensar nas habilidades técnicas, na formação acadêmica e também nas competências pessoais necessárias. Com o perfil em mente, fica mais fácil encontrar quem se encaixa nele.

Divulgação da vaga

O processo de admissão é mais eficaz quando a descrição da vaga é bem feita. O anúncio deve conter as atividades do cargo e os atributos obrigatórios, já definidos no perfil.

Deixar claro os benefícios e até o salário ofertado é uma maneira de reduzir a presença de meros curiosos e somente entrevistar pessoas realmente interessadas no emprego.

Entrevista

Depois de selecionar os melhores candidatos, o processo de admissão exige uma conversa com cada um deles. Leia com atenção os currículos e faça anotações com suas impressões a respeito de experiências anteriores, para que na hora da entrevista fique mais fácil abordar cada tópico e tirar dúvidas.

O ideal é que o gestor do setor contratante faça parte do processo e conheça os candidatos. Você deve apresentar brevemente a empresa e todos os participantes da entrevista, antes de começar a conversa. Ao longo da entrevista, faça anotações e fique atento para tentativas de fugir das perguntas.

Exame admissional e documentos para admissão

Depois de escolher o novo funcionário, é necessário enviá-lo para um exame médico e ter a certeza de que ele pode exercer o cargo. Este é um procedimento padrão obrigatório anterior ao início das atividades na empresa.

Treinamento

O último passo do processo de admissão é o treinamento. A maior parte das empresas faz a contratação e apenas insere o novo colaborador na rotina de trabalho, mas o ideal é apresentar todos os setores da organização e capacitar o colaborador para sua função.

Isso serve não apenas para que ele possa trabalhar em todo o seu potencial como também para motivá-lo e mostrar que é valorizado.

Processo de demissão

Os processos de admissão e demissão passam por muitas tarefas burocráticas. Entretanto, além de calcular todos os valores devidos ao colaborador e cumprir os prazos de pagamento, é preciso ter uma política de demissão estruturada para evitar problemas futuros.

Entrevista de desligamento

Quando um empregado deixa de fazer parte da organização, seja ou não por decisão própria, ele certamente tem observações sobre ela e pode contribuir para seu crescimento.

Realizar uma entrevista de desligamento é uma oportunidade de ouvir o que esse funcionário tem a dizer e pensar em melhorias.

Fim do acesso ao ambiente de trabalho

É claro que queremos sempre oferecer um processo de demissão amigável, mas isso não pode contrariar medidas de segurança da empresa. É preciso ter responsabilidade e impedir que ex-funcionários tenham acesso ao ambiente e aos materiais de trabalho, inclusive arquivos no computador e contatos de clientes.

Por isso, é uma boa ideia planejar para que a saída do funcionário demitido ocorra no horário de almoço ou no fim do expediente. Dessa forma, ele pode se despedir dos colegas sem circular dentro da empresa.

Tenha testemunhas

No caso das demissões, é possível se deparar com todo tipo de comportamento, inclusive de pessoas tomadas pela emoção. Assim, quando o funcionário já apresentou problemas ou é desequilibrado, é importante não comunicar o desligamento da empresa sozinho.

O mesmo vale para gestores que se deixam levar pela emoção. Eles não devem comunicar demissões sozinhos. Nesses casos, uma testemunha pode ser útil em um processo judicial no futuro.

Ter políticas de admissão e demissão é essencial para que nada passe despercebido e cause problemas posteriores. Compartilhe esse post no seu LinkedIn para que mais pessoas compreendam os detalhes desses procedimentos e aproveite para seguir nossa página!

 

Sobre o Autor:

Leonardo é graduado e pós-graduado pela PUC Minas em Ciências da Computação. Formou-se em Inovação e Empreendedorismo pela Universidade de Stanford, nos USA. No Brasil, fundou diversas empresas de tecnologia e gestão, incluindo a Framework System, uma das maiores empresas de software de Minas Gerais e as startups Tangerino, Argos e Columbus. Possui ampla experiência na criação de soluções tecnológicas, gestão de pessoas e inteligência de mercado. Atualmente atua como CEO do Tangerino, revolucionando a maneira como empresas de todo o Brasil realizam o controle de ponto.
Nosso site faz o uso de cookies e outros serviços de terceiros.
Para mais informações veja nossa Política de Privacidade.
Ok