Blog

Pagamento de horas extras: produtividade ou prejuízo?

Tempo de Leitura: 2 minutos O pagamento de horas extras pode ser visto como uma recompensa pela produtividade de seus funcionários, mas, se feito com muita frequência, pode criar grandes gastos.

31 dezembro 2018 TEMPO DE LEITURA : 2 minutos Foto Leonardo Barros
Início > Gestão financeira > Pagamento de horas extras: produtividade ou prejuízo?
Tempo de Leitura: 2 minutos

O pagamento de horas extras representa uma acréscimo importante na folha de pagamento. Além das horas adicionais pagas aos colaboradores, incidem outros encargos trabalhistas e impostos sobre essa soma de valores.

Embora muitas vezes seja necessário contar com os funcionários além da jornada de trabalho normal, é preciso avaliar se a empresa está ganhando ou perdendo com isso. Que tal fazer essa reflexão com a gente? Siga com a leitura!

Quando as horas extras são necessárias?

As horas extras são o tempo trabalhado fora da jornada estabelecida em contrato, com limite de duas horas extras diárias. Elas são extremamente necessárias durante períodos em que a empresa precisa passar por reestruturações ou tem uma grande demanda por parte dos clientes, como as lojas de um shopping na época de Natal, por exemplo.

Entretanto, se a demanda extra de trabalho é  permanente, vale a pena avaliar a possibilidade de contratar mais funcionários ou reconsiderar a maneira como o trabalho é feito. Muitas vezes, organização e planejamento são suficientes para diminuir as horas extras.

Horas extras são sinônimo de maior produtividade?

O pagamento de horas extras significa que existe uma quantidade maior de trabalho a ser feito, mas não quer dizer necessariamente mais produtividade. O motivo é que o funcionário cansado tende a ser menos produtivo, precisando de mais tempo para completar suas tarefas e entrando em um ciclo repetitivo de horas extras cada vez menos produtivas.

A qualidade do serviço também diminui quando o colaborador faz horas extras com frequência, pois ao longo do dia ele vai perdendo o foco e a concentração nas tarefas. Ele chega em casa mais tarde, sente-se de desmotivado e pode até desenvolver problemas de saúde por excesso de trabalho, gerando mais custos para a empresa com faltas justificadas.

Como diminuir o pagamento de horas extras?

Evitar o pagamento de horas é resultado de um conjunto de medidas. Primeiramente, a empresa deve fazer um controle de ponto adequado de cada funcionário, visando ter dados reais sobre a jornada de trabalho.

Custo do Colaborador

Para que esse acompanhamento seja efetivo e contribua para uma melhor gestão das horas trabalhadas, é fundamental contar com a tecnologia adequada, como o controle de ponto digital.

Contrato Home Office

O ponto digital oferece monitoramento em tempo real das horas trabalhadas e fechamento da folha de ponto em apenas alguns cliques. Essa facilidade traz agilidade e eficiência na hora de controlar as horas extras realizadas pela equipe e fazer o pagamento das mesmas.

Além da gestão de ponto eletrônico, é fundamental dimensionar adequadamente a quantidade de funcionários necessária para cumprir com as demandas da empresa. Muitas vezes, o pagamento de horas extras em excesso é reflexo da falta de mão de obra.

Fazer um acordo de banco de horas com o sindicato que representa os funcionários é outra maneira de reduzir o pagamento de horas extras. Neste caso, é necessário ter um bom planejamento para que as horas extras sejam compensadas o mais rápido possível, evitando o acúmulo de dias de descanso.

Como você pode ver, é possível tomar medidas que evitem o pagamento de horas extras na empresa. Tudo depende de um bom planejamento e o controle adequado.

Quer melhorar sua capacidade de gestão de horas extras? Faça um teste grátis do Tangerino!

Teste Grátis Tangerino

Foto: Leonardo Barros

Leonardo Barros

Leonardo é pós-graduado pela PUC Minas em Ciências da Computação. Formou-se em Inovação e Empreendedorismo pela Universidade de Stanford. Fundou diversas empresas de tecnologia e gestão, além das startups Tangerino, Argos e Columbus. É CEO do Tangerino, empresa pioneira em controle de ponto digital no Brasil.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Os campos com * são obrigatórios.

Artigos Relacionados