Tempo de Leitura: 7 minutos

Lazy job é uma expressão que se popularizou após Gabrielle Judge utilizar no Tik Tok a hashtag “lazygirlsjob“. Lazy girls job significa emprego para meninas preguiçosas, mas o intuito da hashtag passa longe disso!

Ela está relacionada a uma nova forma de enxergar o mercado de trabalho e de priorizar questões profissionais e pessoais. E ela surge representando uma demanda importante, vista especialmente na Geração Z, que inclusive foi a geração a popularizar o termo.

Não é a primeira vez que expressões viralizam em redes sociais para representar mudanças e novas tendências no âmbito profissional. O mesmo aconteceu, por exemplo, com “girl boss” e com “quiet quitting“.

Isso mostra que as redes sociais seguem sendo um importante reflexo das mudanças que acontecem ou que as pessoas querem ver no mercado de trabalho. Por isso, é interessante conhecer o que está por trás dessas expressões. Deste modo, preparamos este conteúdo para explicar para você sobre o lazy job. Continue conosco!

O que é lazy job?

lazy job

Lazy job, ou trabalho preguiçoso, é uma expressão advinda de “lazy girls job” que objetiva estimular que os profissionais busquem determinado modelo de trabalho

Nesse caso, o foco é procurar trabalhos que ofereçam maior qualidade de vida, possibilitando equilíbrio entre a vida pessoal e profissional

Atualmente, já existem muitas pessoas e empresas que praticam essa forma de trabalho, que engloba trabalhar com horários flexíveis, rotinas remotas ou híbridas. 

Banner com o fundo claro, na esquerda está escrito: ontrato com freelancer, utilize esse modelo de documento editável!

Além disso, segundo os conceitos atrelados ao termo, também é importante que os profissionais recebam bem pelo trabalho. 

Na prática, a ideia é que os trabalhadores busquem por empregos que não exijam deles além do que eles recebem para fazer. Assim, eles não praticam horas extras continuamente, nem ficam afastados de sua família por muito tempo. 

Ou seja, eles trabalham e entregam o que foi combinado com a empresa, mas conseguem se dedicar a outras atividades importantes.

Leia também:

A ideia é fazer o trabalho em menos tempo e com menor esforço, o que não significa que as entregas devam ser medíocres. Fugir da sobrecarga de trabalho não é o mesmo que deixar de se dedicar e apresentar resultados. 

Também é importante ressaltar que fazer home office não é o mesmo que praticar o lazy job. Isso porque o home office pode ser monitorado, exigir cumprimento de horários e não oferecer flexibilidade quanto ao local de trabalho. 

O lazy job envolve a autonomia do colaborador, que pode trabalhar de qualquer lugar e a qualquer horário. Por isso, a opção mais comum de trabalho daqueles que o praticam é a atuação autônoma ou freelancer. 

Nesse caso, a liberdade é ainda maior, uma vez que do profissional depende as demandas que ele aceitará ou não, os prazos em que entregará o combinado e até os valores que receberá por isso.

Como surgiu o lazy Job?

O termo “lazy job” se popularizou após a postagem de Gabrielle Judge viralizar no Tik Tok com a hashtag “lazygirlsjob”. Enquanto este último é direcionado às mulheres, o lazy job pode ser utilizado por qualquer profissional.

Aos 26 anos e formada em Ciência da Computação, ela conseguiu seu emprego dos sonhos, logo antes da pandemia. Porém, o que inicialmente a deixou muito feliz, trouxe alguns incômodos no dia a dia. 

Ela percebeu que seu tempo ocioso no ambiente de trabalho era muito, já que terminava o que tinha que fazer antes de completarem as 8 horas. Dessa forma, ela desperdiçava tempo no trabalho, que poderia ser gasto com outra coisa. 

Além disso, outra prática comum no emprego de Gabrielle (com a qual muitas pessoas podem se identificar) é o grande número de reuniões online. Ela se deslocava até o trabalho, para encontrar uma sala privada e realizar intermináveis reuniões através da tela. 

Foi percebendo isso que a profissional desistiu do trabalho para apostar em um novo estilo de vida, que ela nomeou “lazygirlsjob“. Depois disso, os seguidores removeram a palavra “girls” do termo, para que ele pudesse ser utilizado por todo mundo.

A repercussão do termo aconteceu porque as pessoas, especialmente aquelas da geração Z, se identificaram com o seu propósito. Afinal, ele decorre da busca de mais liberdade, menos estresse e cansaço, vivenciados diariamente pela maioria dos profissionais.

Quem fica quase sempre além do horário, precisa pegar ônibus ou perder tempo no trânsito para ir ao trabalho e faz a sua e outras funções para atender demandas da empresa, pode aderir ao lazy job como forma de ter mais saúde física e mental.

Quais as características do lazy job? 

características do lazy job

Agora que você compreendeu o que é o lazy job, como essa expressão surgiu e se tornou símbolo de uma revolução iniciada pela geração Z, conheça suas principais características!

  • bons salários;
  • equilíbrio entre vida pessoal e profissional;
  • flexibilidade de horários;
  • mobilidade;
  • qualidade de vida.

Bons salários

No mercado profissional é comum encontrar empresas que exigem muito dos colaboradores, porém não oferecem salário compatível com essas exigências. 

O movimento lazy job entende que essa prática é inaceitável, uma vez que os serviços de cada um deve ser valorizado

Nesse sentido, os autônomos e freelancers levam vantagem, porque podem colocar preço no seu trabalho e negociar o valor das suas entregas com cada cliente.

Banner com fundo claro escrito: Kit de planilhas de RH e DP, controle e cálculos efetivos 
de ponto, férias e hora extra, avaliação de desempenho, PDI, pesquisa de clima. e um botão escrito baixe agora.

Equilíbrio entre vida pessoal e profissional

Em muitas profissões ou empregos, os colaboradores dedicam muito tempo às empresas, fazem horas extras e perdem horas no trânsito entre o trabalho e a casa. Assim, não conseguem ter tempo para si e para dedicar à sua vida pessoal.

O lazy job é aquele que possibilita que o profissional exerça sua função, mas não prejudique sua vida pessoal, seu tempo com a família e amigos e a realização de hobbies. 

Flexibilidade de horários

A flexibilidade de horários implica em um trabalho sob demanda, com prazo determinado para entrega. 

Ou seja, a empresa solicita ao trabalhador que faça determinada atividade e ele pode fazê-la quando, onde e como quiser, desde que entregue no tempo e com a qualidade esperada

Assim, o colaborador pode marcar outros compromissos a qualquer horário do dia, sem que isso interfira no seu trabalho. Portanto, é possível dar atenção a diferentes aspectos da vida, sem se prejudicar pessoal ou profissionalmente.

Mobilidade

Ter mobilidade significa ter liberdade para trabalhar de onde se quer. Pode ser de um local perto de casa, como um shopping ou um café, ou pode ser de um hotel perto da praia do outro lado do mundo.

O lazy job apoia que, se os colaboradores podem exercer suas atividades fora da dependência da empresa, então a empresa deveria permitir que isso fosse feito. Assim eles podem trabalhar de locais que lhes sejam mais agradáveis.

Qualidade de vida

Por fim, a característica mais importante do lazy job, que embasa todas as outras, é a qualidade de vida. O movimento defende que as pessoas devem trabalhar para viver a vida que querem e não viver apenas para trabalhar.

A qualidade de vida engloba estar onde se quer estar, com quem se quer estar, ter tempo para se cuidar e possuir saúde física e mental. A dedicação quase que integral de uma pessoa ao trabalho não deixa que isso aconteça.

Como o lazy job se relaciona à geração Z?

A contratação por meio do programa Jovem Aprendiz

Cada geração tem a sua marca no mercado de trabalho e provocou disrupção de uma maneira diferente. A geração Z, composta pelas pessoas que nasceram entre 1990 e 2010, é formada por pessoas que se adaptam facilmente a novos cenários e podem fazer várias coisas ao mesmo tempo

Portanto, essa geração exige mais flexibilidade, inclusive para buscar opções profissionais diversificadas. Além disso, ela visa menos uma rotina e estabilidade e mais a liberdade de se reinventar e viver novas experiências. 

Ainda, para a geração Z, o desenvolvimento pessoal importa, é preciso haver motivação para o trabalho e o bem-estar físico e mental é prioridade. Por isso o movimento lazy job se popularizou entre pessoas dessa geração.

A geração Z já está modificando o mercado de trabalho, trazendo novas perspectivas sobre prioridades. Deste modo, é importante que as empresas considerem essas mudanças, porque as pessoas dessa geração se tornarão grande parte da força de trabalho nos próximos anos.

Quais são as críticas e o apoio ao lazy job?

A proposta do lazy job pode agradar algumas pessoas, mas nem todo mundo enxerga o movimento como positivo. Abaixo, falamos um pouco dos seus prós e contras. Acompanhe!

Prós

O movimento lazy job se tornou popular devido à insatisfação dos trabalhadores com suas condições em seus empregos. 

Pessoas que perdem muito tempo no trânsito, que fazem inúmeras horas extras ou aquelas que se desgastam muito no trabalho para ganhar pouco se identificaram com ele. 

Ele surgiu com a entrada da geração Z no mercado de trabalho, que se preocupa mais com a qualidade de vida do que com a estabilidade financeira. 

Portanto, podemos observá-lo como uma forma de revolução e de luta das pessoas por condições melhores de trabalho e equilíbrio entre suas vidas profissional e pessoal.

Para as empresas, entender e implementar essas demandas pode ser positivo, porque elas criam motivação entre seus colaboradores, para que trabalhem. 

Dessa forma, elas aumentam a produtividade, enquanto o colaborador pode atuar de qualquer local e fazer seus próprios horários, de modo que é vantajoso para ambas as partes.

Contras

Por outro lado, há quem diga que o lazy job afeta a vontade de crescer na carreira e pode levar o profissional à estagnação. A justificativa para isso seria que os profissionais se acomodariam ao seu estilo de vida. 

Além disso, outras pessoas defendem que a distância ou flexibilidade nos horários faria com que os profissionais não se dedicassem o suficiente a ele. 

Isso seria prejudicial tanto à empresa, quanto ao colaborador, que não procuraria desenvolver novas habilidades.

Há, ainda, a desvantagem ligada ao nome do movimento lazy job, ainda que Gabrielle Judge, sua criadora, alegue que ele seja jogada de marketing. 

Isso porque lazy job, ou emprego preguiçoso, pode sugerir que as pessoas ligadas ao movimento não gostem de trabalhar, ou não queiram trabalhar duro. Dessa forma, as palavras escolhidas para nomeá-lo são frutos de crítica.

Próximos passos…

Agora que você já compreendeu o que é o lazy job e ficou por dentro dessa tendência difundida pela geração Z, sugerimos que prossiga com a leitura de mais um dos nossos artigos, sobre diversidade nas empresas!

A concorrência não chega nem perto: Sólides otimiza + de 50 processos do seu DP