Tempo de Leitura: 13 minutos

No ambiente corporativo, a relação entre empregador e empregado é importante para o sucesso de qualquer organização. No entanto, essa dinâmica pode ser desafiadora e, às vezes, terminar de maneira indesejada. Uma dessas situações é a dispensa discriminatória.

A dispensa discriminatória é uma espécia de demissão motivada por características pessoais e não profissionais. Em outras palavras, o funcionário é demitido por discriminação, seja devido à sua religião, sexualidade, problema de saúde e afins. E, por isso, é um assunto que precisa ser levado muito a sério.

Neste artigo, vamos explorar, então, o que é a dispensa discriminatória, como ela se manifesta no ambiente de trabalho e por que é essencial que os departamentos de pessoal (DP) estejam atentos a essa questão. Vamos lá?

O que é dispensa discriminatória e quando ela ocorre?

A dispensa discriminatória diz respeito a uma circunstância em que o colaborador é demitido com base em características pessoais, ou seja, que não têm relação com seu desempenho profissional, como etnia, religião, orientação sexual ou condição de saúde.

Quer um resumo de tudo o que veremos a seguir sobre dispensa discriminatória? É só apertar o play:

No mais, essa forma de demissão é caracterizada por estigmas ou preconceitos, e não por questões relacionadas ao trabalho ou à produtividade do funcionário.

A dispensa discriminatória ocorre quando o ambiente de trabalho se torna hostil e interfere na qualidade de vida do funcionário, afetando sua saúde emocional e seu desempenho no trabalho. 

Planilha de Folha de Pagamento Gratuita

Isso pode ocorrer de várias maneiras, como comentários ofensivos, tratamento injusto ou políticas de trabalho que desfavorecem certos grupos.

Essas práticas discriminatórias podem ter um impacto significativo na moral e na produtividade do funcionário, levando a um declínio no desempenho e, em última instância, à demissão. 

No entanto, é importante notar que a dispensa discriminatória não é apenas prejudicial para o funcionário, mas também para a empresa, pois pode levar a uma perda de talentos valiosos e a possíveis ações judiciais.

Leia também:

O que a lei diz sobre dispensa discriminatória? 

A Lei 9.029/95 proíbe expressamente a dispensa discriminatória. Ela estabelece que é crime realizar práticas discriminatórias para admissão ou manutenção do vínculo empregatício. 

A lei protege os trabalhadores contra a dispensa discriminatória, garantindo o direito à relação de emprego protegida contra a dispensa sem justa causa ou arbitrária.

Portanto, se a dispensa for comprovadamente discriminatória, ela pode ser revertida e o empregador pode ser obrigado a pagar indenização ao funcionário.

No entanto, é importante ressaltar que a comprovação do ato discriminatório é essencial para a reversão da dispensa. 

Isso pode ser um desafio, pois a discriminação pode ser sutil e difícil de provar. Portanto, é preciso que os funcionários mantenham registros de qualquer incidente de discriminação e busquem aconselhamento jurídico se acreditarem que foram vítimas de dispensa discriminatória.

Além disso, as empresas devem estar cientes de suas obrigações legais e tomar medidas para prevenir a discriminação no local de trabalho. 

Dentre as ações possíveis, está incluir a implementação de políticas de igualdade de oportunidades, a realização de treinamentos sobre diversidade e inclusão, e a criação de um ambiente de trabalho onde todos os funcionários se sintam valorizados e respeitados.

Quais as situações de dispensa discriminatória? 

demissão discriminatória

A dispensa discriminatória pode ocorrer em várias situações. Aqui estão alguns exemplos:

  • Discriminação por gênero: quando um funcionário é demitido por ser homem ou mulher. Isso pode ocorrer em indústrias dominadas por um gênero, onde o outro gênero pode ser visto como inadequado ou incapaz de realizar o trabalho.
  • Discriminação por idade: quando um funcionário é demitido por ser muito jovem ou muito velho. Isso pode ocorrer em empresas que valorizam a juventude e a inovação, ou em empresas que valorizam a experiência e a sabedoria.
  • Discriminação por raça ou etnia: quando um funcionário é demitido por sua raça ou etnia. Isso pode ocorrer em empresas onde existe preconceito racial ou étnico.
  • Discriminação por religião: quando um funcionário é demitido por suas crenças religiosas. Isso pode ocorrer em empresas onde existe intolerância religiosa.
  • Discriminação por orientação sexual: quando um funcionário é demitido por sua orientação sexual. Isso pode ocorrer em empresas onde existe homofobia ou preconceito contra pessoas LGBTQ+.
  • Discriminação por deficiência: quando um funcionário é demitido por ter uma deficiência física ou mental. Isso pode ocorrer em empresas que não estão dispostas a fazer acomodações razoáveis para pessoas com deficiência.
  • Discriminação por estado de saúde: quando um funcionário é demitido por ter uma doença crônica ou terminal. Isso pode ocorrer em empresas que não querem lidar com os custos ou inconvenientes de ter um funcionário doente.
  • Discriminação por gravidez: quando uma funcionária é demitida por estar grávida. Isso pode ocorrer em empresas que não querem lidar com a licença-maternidade ou com as mudanças físicas e emocionais que acompanham a gravidez.
  • Discriminação por associação: quando um funcionário é demitido por sua associação com um grupo particular. Isso pode ocorrer em empresas onde existe preconceito contra certos grupos sociais, políticos ou culturais.

Esses são apenas alguns exemplos de situações de dispensa discriminatória. É importante lembrar que a dispensa discriminatória é ilegal e os funcionários que acreditam ter sido vítimas de tal prática devem buscar aconselhamento jurídico.

Banner com fundo claro escrito na esquerda: Checklist de demissão de colaboradores, 15 documentos indispensáveis ao demitir um empregado!

Quais outros exemplos de dispensa discriminatória?

Existem muitos exemplos de dispensa discriminatória que foram levados aos tribunais. Aqui estão alguns casos notáveis:

  1. Discriminação por obesidade mórbida: em um caso recente, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) determinou que o supermercado Atacadão, em São Paulo, reintegrasse um supervisor administrativo, considerando que sua dispensa foi discriminatória. O ex-funcionário, que pesava mais de 200 quilos, foi dispensado após retornar de uma licença de saúde de seis meses. Ele afirmou que sofreu discriminação em razão de obesidade mórbida e outras doenças associadas, como pressão alta, diabetes e depressão.
  1. Discriminação por transtorno afetivo bipolar: a Sétima Turma do TST declarou o caráter discriminatório da dispensa de um motorista carreteiro da Rumo Malha Sul S.A. com transtorno afetivo bipolar. A despedida ocorreu logo após o retorno dele de afastamento previdenciário.
  1. Discriminação por câncer: o TST reafirmou a presunção de dispensa discriminatória em caso de câncer. A despedida de empregado portador do vírus HIV ou de outra doença grave que suscite estigma ou preconceito é presumida como discriminatória, cabendo ao empregador o ônus de comprovar que desconhecia a doença no momento da dispensa ou que a dispensa se deu por algum motivo justificável.

Esses exemplos demonstram que a dispensa discriminatória pode ocorrer em uma variedade de contextos e situações. É importante que os empregadores estejam cientes de suas obrigações legais e tratem todos os funcionários de maneira justa e equitativa

Quais são as doenças que geram dispensa discriminatória? 

afastamento de trabalho

A Súmula 443 do Tribunal Superior do Trabalho (TST) presume que a demissão de um empregado portador de uma doença grave que suscite estigma ou preconceito é motivada por discriminação. As doenças que podem gerar dispensa discriminatória são aquelas que suscitam estigma ou preconceito na sociedade

Embora não haja uma lista fechada dessas doenças, podemos citar como exemplos:

  • Vírus HIV: é a doença mais citada pela súmula 443 do TST e também a mais recorrente nos casos de dispensa discriminatória. Os portadores do vírus HIV sofrem com o estigma social e o preconceito relacionados à sua condição de saúde e à sua sexualidade.
  • Câncer: esta doença pode afetar a dignidade, a saúde e a vida profissional do empregado, levando a situações de discriminação no ambiente de trabalho.
  • Hepatite: assim como o HIV, a hepatite é uma doença que pode causar uma situação imaginária de contaminação, levando ao estigma e ao preconceito.
  • Tuberculose: esta é outra doença que pode levar ao estigma e ao preconceito, especialmente devido ao medo de contaminação.
  • Alcoolismo: o alcoolismo é frequentemente mal compreendido e estigmatizado, o que pode levar à discriminação no ambiente de trabalho.
  • Depressão: as doenças mentais, como a depressão, podem levar ao estigma e à discriminação, especialmente devido à falta de compreensão e ao medo.
  • Esquizofrenia: assim como a depressão, a esquizofrenia é uma doença mental que pode levar ao estigma e à discriminação.
  • Epilepsia: a epilepsia é uma doença que pode levar ao estigma e à discriminação, especialmente devido ao medo e à falta de compreensão.
  • Diabetes: embora seja uma doença comum, o diabetes pode levar ao estigma e à discriminação, especialmente se o empregado precisar administrar a doença no local de trabalho.
  • Obesidade mórbida: a obesidade mórbida pode levar ao estigma e à discriminação, especialmente devido aos estereótipos negativos associados à obesidade.
  • Lúpus: o lúpus é uma doença autoimune que pode levar ao estigma e à discriminação, especialmente devido à falta de compreensão e ao medo.

É importante notar que a lista acima não é exaustiva e outras doenças também podem ser consideradas como causadoras de dispensa discriminatória. A avaliação final será sempre feita pelo juiz, com base em cada caso concreto.

Como um funcionário pode provar que teve dispensa discriminatória?

como provar dispensa discriminatória

Evidenciar que uma demissão foi motivada por discriminação pode ser uma tarefa complexa, já que os empregadores raramente confessam tal intenção. Aqui estão algumas estratégias que podem auxiliar na coleta de provas e fortalecer sua reivindicação:

1. Registros documentais

Manter um registro detalhado de todas as interações relacionadas ao trabalho, incluindo e-mails, cartas, avaliações de desempenho e outros documentos pertinentes, pode ser uma das maneiras mais eficazes de evidenciar a discriminação.

2. Depoimentos de testemunhas

As testemunhas podem ser uma fonte valiosa de provas. Pessoas que presenciaram a discriminação ou têm conhecimento dela podem ser fundamentais para o seu caso.

3. Comunicações explícitas

Se existirem comunicações explícitas, como e-mails, mensagens ou declarações verbais gravadas, que indicam que a demissão foi motivada por discriminação, essas informações podem ser cruciais para evidenciar o caso.

4. Comparação com colegas de trabalho

Compare sua situação com a de outros funcionários que não foram demitidos e que têm desempenho e histórico semelhantes. Isso pode ajudar a evidenciar disparidades injustificadas.

5. Histórico de desempenho

Se a empresa alegar que a demissão foi motivada pelo desempenho, apresente provas do seu histórico de trabalho, avaliações positivas e quaisquer reconhecimentos recebidos.

6. Registro de incidentes discriminatórios

Se houve incidentes discriminatórios ao longo do tempo, documente esses eventos e as medidas tomadas para relatar ou resolver essas situações.

7. Proteção contra retaliação

Caso tenha apresentado uma queixa ou tenha estado envolvido em atividades protegidas (como atividades sindicais), documente a linha do tempo dos eventos e observe qualquer correlação com a demissão.

8. Consulta a um advogado especializado

Consultar um advogado especializado é essencial. Um profissional pode avaliar as circunstâncias específicas do caso, fornecer orientação legal e ajudar na coleta de evidências adequadas.

Banner com fundo claro escrito na esquerda: Checklist de demissão de colaboradores, 15 documentos indispensáveis ao demitir um empregado!

9. Ônus da prova

De acordo com o artigo 818 da CLT, o ônus da prova trabalhista incumbe ao reclamante quanto ao fato constitutivo de seu direito e ao reclamado quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do reclamante. No entanto, em certos casos, a Justiça do Trabalho pode facilitar a vida do reclamante, invertendo o ônus da prova.

10. Súmula 443 do TST

A Súmula 443 do TST presume discriminatória a despedida de empregado portador do vírus HIV ou de outra doença grave que suscite estigma ou preconceito. 

Nesse caso, o empregado tem direito à reintegração no emprego. No entanto, para que essa Súmula seja aplicada, é necessário que o empregador tenha conhecimento da doença que acomete o funcionário.

Quais os direitos de um funcionário com dispensa discriminatória?

acidente de trabalho direitos

A dispensa discriminatória é uma violação grave dos direitos do trabalhador. Quando um empregado é demitido por motivos discriminatórios, ele tem o direito de buscar justiça e reparação. Aqui estão os direitos que um funcionário tem em caso de dispensa discriminatória:

  • Reintegração ao emprego: o empregado tem o direito de ser reintegrado ao seu emprego. Isso significa que o empregador é obrigado a permitir que o empregado retorne ao seu cargo anterior. Além disso, o empregado deve receber todas as remunerações devidas durante o período de afastamento, corrigidas monetariamente e acrescidas de juros legais.
  • Indenização em dobro: se o empregado optar por não retornar ao emprego, ele tem o direito de receber em dobro a remuneração do período de afastamento. Esta remuneração também deve ser corrigida monetariamente e acrescida de juros.
  • Reparação por danos morais: a dispensa discriminatória pode causar danos psicológicos significativos ao empregado. Portanto, o empregado tem o direito de solicitar reparação por danos morais. Esta reparação é destinada a compensar o empregado pelo sofrimento emocional e pelo constrangimento causado pela dispensa discriminatória.

É importante lembrar que esses direitos são protegidos pela Constituição Federal e pela Lei 9.029/95. 

Se um empregado acredita que foi vítima de dispensa discriminatória, é recomendável buscar orientação jurídica e entrar em contato com as agências governamentais responsáveis pela fiscalização e aplicação das leis trabalhistas

A luta contra a discriminação no local de trabalho é um esforço contínuo, e cada caso de dispensa discriminatória que é levado à justiça ajuda a criar um ambiente de trabalho mais justo e igualitário.

E o que a empresa pode sofrer ao ter uma dispensa discriminatória?

Quando uma empresa é considerada culpada de dispensa discriminatória, as consequências podem ser extensas e duradouras. Essas consequências podem ser categorizadas em efeitos diretos e consequências jurídicas. Acompanhe:

Efeitos diretos

Os efeitos diretos são as consequências imediatas que a empresa enfrenta após a constatação da dispensa discriminatória.

Reintegração ou indenização do trabalhador

O trabalhador que sofreu a discriminação tem o direito de escolher entre a reintegração ao emprego ou a indenização. A indenização inclui a percepção, em dobro, da remuneração no período de afastamento, corrigida e com juros.

Custos com honorários advocatícios

Além disso, a empresa pode ser responsável por custear os honorários advocatícios do trabalhador em caso de condenação. Isso pode representar um custo significativo, especialmente se o caso for longo e complexo.

Consequências jurídicas

consequências jurídicas dispensa

As consequências jurídicas são as implicações legais que a empresa enfrenta como resultado da dispensa discriminatória.

Multas e penalidades

As leis trabalhistas preveem multas e penalidades para empresas que praticam a discriminação no ambiente de trabalho. Essas penalidades, impostas pelos órgãos reguladores do trabalho, podem ser financeiramente pesadas e podem afetar a capacidade da empresa de operar efetivamente.

Ações judiciais adicionais

Além da ação inicial movida pelo trabalhador, a empresa pode enfrentar ações administrativas adicionais movidas pelos órgãos fiscalizadores. Essas ações podem resultar em mais multas e penalidades, além de custos legais adicionais.

Obrigações de adequação

Em alguns casos, a empresa pode ser obrigada a implementar medidas corretivas para evitar futuras práticas discriminatórias. 

Isso pode incluir treinamento para funcionários e gestores, mudanças nas políticas e procedimentos da empresa, e até mesmo a contratação de consultores ou especialistas para ajudar na implementação dessas mudanças.

Danos à reputação

Além das implicações legais e financeiras, uma dispensa discriminatória pode causar danos significativos à reputação da empresa. Isso pode afetar a imagem da empresa perante seus clientes, fornecedores e o público em geral. 

A perda de confiança pode resultar em perda de negócios, dificuldade em atrair e reter talentos, e um impacto negativo na moral dos funcionários.

Em resumo, as consequências de uma dispensa discriminatória podem ser devastadoras para uma empresa. É essencial que as empresas compreendam as implicações de suas ações e tomem medidas para garantir que estão em conformidade com todas as leis e regulamentos trabalhistas. 

Além disso, a criação de um ambiente de trabalho inclusivo e respeitoso pode ajudar a prevenir a ocorrência de práticas discriminatórias.

Aproveite que chegou até aqui e confira alguns materiais ricos e gratuitos que separamos para você:

Como ter uma política de desligamento não discriminatória?

Uma política não discriminatória é necessária para manter a igualdade e a justiça no ambiente de trabalho. Aqui estão algumas diretrizes detalhadas para criar uma política eficaz:

  • Conformidade com a lei: a primeira e mais importante etapa para ter uma política de desligamento não discriminatória é garantir que ela esteja em conformidade com os princípios constitucionais e as leis locais. No Brasil, por exemplo, a Constituição Federal de 1988 e a Lei nº 9.029/1985 proíbem práticas discriminatórias para efeitos admissionais ou de permanência na relação de trabalho. Portanto, é preciso que a política de desligamento da sua empresa esteja alinhada com essas leis.
  • Critérios claros: estabeleça critérios claros e objetivos para o desligamento. Evite critérios subjetivos que possam ser interpretados como discriminatórios. Por exemplo, o desempenho do trabalho pode ser um critério válido, mas deve ser baseado em avaliações de desempenho justas e consistentes.
  • Treinamento e conscientização: promova treinamentos e conscientização sobre a política de desligamento não discriminatória. Garanta que todos os funcionários, especialmente os gestores e o departamento de RH, estejam cientes da política. Isso pode incluir sessões de treinamento, workshops e materiais de leitura.
  • Canais de comunicação: estabeleça canais de comunicação abertos e seguros para que os funcionários possam relatar possíveis violações da política. Isso pode incluir uma linha direta anônima ou um sistema de relatórios online.
  • Investigação e ação: investigue todas as reclamações de discriminação de maneira justa e imparcial. Isso deve incluir uma revisão completa dos fatos e entrevistas com todas as partes envolvidas. Se uma reclamação for considerada válida, tome medidas corretivas. Isso pode variar desde aconselhamento e treinamento até a demissão do infrator.
  • Revisão regular da política: revise regularmente a política para garantir que ela continue eficaz e em conformidade com as leis e regulamentos atualizados. Isso pode incluir a obtenção de feedback dos funcionários e a consulta a especialistas jurídicos.
  • Documentação: mantenha uma documentação completa de todas as decisões de desligamento. Isso deve incluir a razão para o desligamento, bem como qualquer documentação relacionada, como avaliações de desempenho. Esta documentação pode ser crucial se a decisão de desligamento for questionada no futuro.

Lembre-se, uma política de desligamento protege os direitos dos funcionários e contribui para um ambiente de trabalho mais diversificado e inclusivo. Isso pode levar a maior satisfação no trabalho, melhor desempenho e, finalmente, ao sucesso da empresa. 

Além disso, pode ajudar a proteger a empresa contra ações judiciais e danos à sua reputação. Portanto, vale a pena investir tempo e recursos para desenvolver e implementar uma política de desligamento eficaz e não discriminatória.

Repasse alguns pontos sobre o dispensa discriminatória!

Como usar o verificador ITI de conformidade
O que é dispensa discriminatória?

A dispensa discriminatória ocorre quando há o rompimento da relação de trabalho por motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar, idade ou qualquer outro motivo que fere o tratamento isonômico entre os empregados. Isso inclui demissões baseadas em questões de raça, etnia, orientação sexual, doença, que nada têm a ver com a produtividade ou rendimento do trabalhador na empresa.

O que diz a lei?

A Constituição Federal de 1988 prevê, no artigo 7º, como um dos direitos fundamentais dos trabalhadores urbanos e rurais, a “relação de emprego protegida contra despedida arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que prevê indenização compensatória, dentre outros direitos”.

A Lei Nº 9.029 proíbe qualquer ato discriminatório que prejudique o acesso ao trabalho ou sua manutenção. Além disso, a Convenção nº 111 da OIT, ratificada pelo Brasil em 1965, veda a discriminação em matéria de emprego e profissão.

Quais são as punições para a empresa?

A empresa que pratica a dispensa discriminatória pode ser penalizada de várias maneiras. A Lei 9.029/95 estabelece penalidades para as empresas que adotam práticas discriminatórias, como a imposição de multas e detenção de um a dois anos.

Além disso, a dispensa discriminatória é considerada nula, e o empregado tem o direito de optar entre a reintegração com ressarcimento integral de todo o período de afastamento, mediante pagamento das remunerações devidas, corrigidas monetariamente e acrescidas de juros legais; ou a percepção, em dobro, da remuneração do período de afastamento, corrigida monetariamente e acrescida dos juros legais.

Próximos passos…

Como vimos, a dispensa discriminatória representa uma grave violação dos direitos dos trabalhadores e traz consigo implicações severas para as empresas envolvidas. 

As leis brasileiras são claras quanto à proibição dessas práticas, estabelecendo penalidades significativas para as organizações que as adotam. 

Além das consequências legais, a reputação das empresas pode ser prejudicada, impactando negativamente nas relações com clientes, fornecedores e na capacidade de atrair talentos.

Portanto, é fundamental que as empresas estejam conscientes de suas obrigações legais, implementem políticas de desligamento não discriminatórias e promovam ambientes de trabalho inclusivos. 

Com essa consciência, as empresas cumprem com os princípios éticos e legais e fortalecem suas bases para o crescimento sustentável, fomentando um local de trabalho onde a diversidade é valorizada, os direitos dos trabalhadores são respeitados e a equidade é uma prioridade constante.

Agora que você sabe tudo sobre dispensa discriminatória, avance um passo e aprenda mais sobre processos trabalhistas!

Com a Sólides Ponto o fechamento da folha é: rápido e seguro