Tempo de Leitura: 16 minutos

O controle de ponto manual é um sistema tradicional de registro de horário de trabalho, geralmente realizado por meio de um livro ou planilha. Essa prática permite que as empresas acompanhem a entrada e saída dos funcionários, bem como o tempo dedicado a atividades específicas.

Aí vai uma curiosidade: ele foi a primeira forma encontrada de manter a jornada de trabalho dos colaboradores sob supervisão da empresa.

Fácil de ser implementado, o relógio de ponto manual foi amplamente utilizado nas fábricas do final do século XIX e durante um bom tempo no século XX.

Também conhecido como relógio de ponto cartográfico, esse mecanismo exigia que os profissionais fizessem fila em frente a uma pequena máquina que marcava dia e hora do registro, de forma mecânica.

Ao final do mês, cabia ao setor de RH recolher todos os cartões, transferir os dados para um sistema ou planilha de controle e então fazer a contabilização de horas trabalhadas de cada funcionário.

Embora tenha sido amplamente utilizado no passado, o controle de ponto manual vem sendo substituído por soluções mais eficientes e, hoje, vamos explicar por que essa transição é tão importante.

Para saber o motivo pelo qual o controle de ponto manual não é o mais indicado para a gestão de pessoas, continue conosco!

Banner com fundo claro escrito: Kit de planilhas de RH e DP, controle e cálculos efetivos 
de ponto, férias e hora extra, avaliação de desempenho, PDI, pesquisa de clima. e um botão escrito baixe agora.

Caso você queira pular para um tópico mais específico, navegue pelos links abaixo:

O que é controle de ponto manual?

Controle de ponto manual

Controle de ponto manual refere-se ao processo pelo qual as horas trabalhadas pelos funcionários são registradas manualmente, geralmente por meio de cartões de ponto ou folhas de frequência. 

Esse método requer que os funcionários registrem seus horários de entrada, saída e intervalos manualmente, e os gestores de RH e donos de empresas são responsáveis por supervisionar e gerenciar esses registros.

No final do período de trabalho, esses registros são compilados e usados para calcular a duração total do trabalho, horas extras, faltas e outras informações relacionadas à frequência dos funcionários. 

Esse método requer uma gestão cuidadosa dos registros e pode estar sujeito a erros e fraudes, como registros falsos de horários.

Com o avanço da tecnologia, muitas empresas estão migrando para sistemas de ponto eletrônico, que são mais precisos, seguros e eficientes. 

Esses sistemas podem incluir relógios de ponto eletrônicos, aplicativos para smartphones ou softwares de registro de ponto em computadores.

O que a CLT diz sobre controle de ponto manual?

Embora a Consolidação das Leis do Trabalho não trate especificamente do controle de ponto manual, ela estabelece algumas diretrizes gerais para o registro da jornada de trabalho dos funcionários.

De acordo com a CLT, o empregador é responsável por manter um controle preciso e fidedigno da jornada de trabalho de seus funcionários, independentemente do método utilizado, seja ele manual ou eletrônico.

O registro da jornada deve ser feito de forma individualizada para cada empregado, indicando o horário de entrada, saída e intervalos.

Além disso, a CLT estabelece que é obrigatório o registro diário da jornada de trabalho para empresas com mais de 20 funcionários. Esses registros devem ser mantidos em arquivo pelo período de cinco anos, para fins de fiscalização e eventuais auditorias.

“Art. 74 § 2º – Para os estabelecimentos com mais de 20 (vinte) trabalhadores será obrigatória a anotação da hora de entrada e de saída, em registro manual, mecânico ou eletrônico, conforme instruções expedidas pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, permitida a pré-assinalação do período de repouso.”

Vale ressaltar que a CLT também estabelece limites para a jornada de trabalho, como a carga horária máxima diária de 8 horas, com possibilidade de até duas horas extras por dia, desde que haja acordo ou convenção coletiva de trabalho.

Leia também:

De acordo com o art. 58 da CLT, a jornada de trabalho pode ser estendida ou reduzida caso seja previamente estipulado outro limite no momento da contratação. Veja na íntegra:

“Art. 58 – A duração normal do trabalho, para os empregados em qualquer atividade privada, não excederá de 8 (oito) horas diárias, desde que não seja fixo expressamente outro limite.”

O controle de ponto adequado é essencial para garantir o cumprimento dessas regras e evitar irregularidades.

Além das disposições da CLT, é importante observar que existem portarias e normas complementares emitidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego que podem detalhar os requisitos específicos para o controle de ponto manual. 

Entre elas, a principal é a Portaria 671, que estabelece regras para o uso de equipamentos de registro de ponto eletrônico. Ela substitui as Portarias 373 e 1510, unifica e atualiza diretrizes sobre o uso de sistemas eletrônicos de controle de jornada. 

Também atualiza outras normas da legislação trabalhista, versando sobre Carteira de Trabalho, aprendizagem profissional e mais.

Aliás, quer saber mais sobre a Portaria 671? Confira o post que fizemos sobre esse tema lá no Instagram da Tangerino by Sólides:

Vale mencionar que o controle de ponto manual não é considerado o mais indicado atualmente por várias razões que discutiremos ao longo deste conteúdo. 

No entanto, muitas empresas estão optando por soluções de controle de ponto eletrônicas, que oferecem maior precisão, segurança e eficiência. 

Esses sistemas automatizados reduzem a possibilidade de erros e fraudes, facilitam o monitoramento e análise dos dados, além de simplificar a geração de relatórios precisos e em tempo real.

Como funciona o controle de ponto manual?

O controle de ponto manual é um método tradicional de registrar a jornada de trabalho dos funcionários por meio de processos manuais, como o uso de cartões de ponto ou folhas de frequência. 

Os funcionários preenchem manualmente as informações de horário, incluindo a hora de entrada, saída e eventuais intervalos de trabalho, em um cartão de ponto, caderno de frequência ou até mesmo uma planilha do Excel.

Isso normalmente é feito usando caneta, lápis ou carimbo, a depender das escolhas da empresa.

No final do período de trabalho, os registros são coletados e compilados em um local centralizado. Assim, são organizados e armazenados para processamento posterior.

Com base nos registros manuais, os gestores de RH ou responsáveis pelo processamento da folha de pagamento calculam as horas trabalhadas por cada funcionário. Isso envolve somar as horas de entrada e saída, considerando os intervalos.

Por meio dos registros, também é possível calcular o banco de horas e as horas extras realizadas pelos funcionários, quando a jornada ultrapassa a carga horária regular. Além disso, as faltas injustificadas também são identificadas a partir dos registros manuais.

Por fim, com os dados compilados e calculados, relatórios de frequência e horas trabalhadas podem ser gerados para análise e utilização na folha de pagamento, controle de horas extras, acompanhamento da frequência dos funcionários, entre outros.

Agora, um minutinho: você já conhece as ferramentas gratuitas que nós produzimos para agilizar as rotinas da sua empresa? Confira a seleção que preparamos especialmente para o seu caso:

É importante ressaltar mais uma vez que, devido à natureza manual do processo, o controle de ponto manual está sujeito a erros, fraudes e dificuldades na análise dos dados

A precisão e a eficiência do processo dependem da disciplina e do cuidado dos funcionários ao registrar seus horários de trabalho e da precisão dos gestores de RH ao compilar e processar essas informações. No entanto, erros podem acontecer e comprometer o cálculo de vários indicadores da empresa.

Como fazer o controle de ponto manual?

Pessoa fazendo anotação em caderno enquanto usa notebook exemplificando calcular a folha de ponto

Tempo necessário: 40 minutos

  1. Escolha do método

    Determine qual método de controle de ponto manual será utilizado, como cartões de ponto, caderno de anotações, folhas de frequência ou planilhas do Excel.
    Certifique-se de que eles contenham informações necessárias, como data, horário de entrada, horário de saída e intervalos.

  2. Distribua os cartões ou as folhas

    Forneça os cartões de ponto aos funcionários, explicando claramente como preenchê-los corretamente. Certifique-se de que cada funcionário tenha seu próprio cartão ou folha para evitar confusões.

  3. Ensine o colaborador a fazer os registros diários

    Instrua os funcionários a registrarem seus horários de entrada, saída e intervalos diariamente. Eles devem escrever a hora exata em que começam e terminam o trabalho, bem como os horários de intervalo.

  4. Supervisione oprocesso

    Designe uma pessoa responsável por supervisionar o registro dos cartões ou folhas de ponto. Essa pessoa deve verificar regularmente os registros para identificar quaisquer erros ou omissões e corrigi-los com a ajuda dos funcionários, se necessário.

  5. Compile as informações e faça o cálculo

    No final de cada período de pagamento, colete todos os cartões ou folhas de frequência preenchidos pelos funcionários. Compile as informações registradas e faça os cálculos necessários para determinar as horas trabalhadas, horas extras, faltas e outras informações relevantes.

  6. Guarde os cartões ou as folhas

    Mantenha os cartões de ponto ou folhas de frequência em arquivo seguro e organizado. De acordo com a legislação trabalhista, é necessário mantê-los arquivados por um período mínimo de cinco anos.

Lembrando que o controle de frequência dos funcionários é essencial para garantir a conformidade legal, gerenciar a folha de pagamento de forma precisa, promover a eficiência operacional, avaliar o desempenho dos funcionários e criar um ambiente de trabalho justo e transparente.

Quais as desvantagens do controle de ponto manual?

Converse com sua equipe de Recursos Humanos e pergunte quantas horas por mês são dedicadas ao controle de ponto manual.

Cada cartão ponto manual tem, em média, 22 registros que devem ser transferidos para outra plataforma, a fim de serem contabilizados da forma correta.

Digamos que cada dia de registro consuma um minuto da jornada de trabalho. Cada cartão ponto manual leva 22 minutos para ser digitalizado. Tendo dez funcionários, são perdidas cerca de quatro horas mensais para concluir a atividade.

Usando o mesmo método para cem colaboradores, você teria 400 horas de trabalho desperdiçadas em trabalho braçal, nada estratégico para a sua organização.

Agora coloquemos isso em reais: digamos que, entre salário, benefícios e encargos trabalhistas, você invista R$ 5 mil reais mensais para manter um colaborador no setor de RH.

Essa pessoa trabalha cerca de 198 horas mensais, o que custa para a sua empresa R$ 25,25 por hora trabalhada.

Com cem colaboradores, sua empresa gastaria R$ 10.101,00 só em fechamento de ponto. Viu como o controle de ponto manual custa caro?

Qual o risco em fazer o controle de ponto manual?

Benefícios do gerenciamento de riscos

Como já deu para perceber ao longo deste conteúdo, o controle de ponto manual traz uma série de desvantagens para a empresa, os funcionários e os gestores de RH. 

É importante considerar esses riscos ao optar pelo controle de ponto manual e avaliar se é a melhor opção para a empresa. 

Muitas organizações estão adotando sistemas automatizados de controle de ponto para mitigar esses riscos e obter maior precisão, eficiência e segurança na gestão da frequência dos funcionários.

Portanto, há vários riscos associados ao controle de ponto manual. Alguns dos principais riscos são:

  • erros e imprecisões;
  • fraudes e manipulações;
  • dificuldade de controle e análise;
  • atrasos no registro;
  • falta de flexibilidade;
  • insegurança e perda de dados;
  • dificuldade na geração de relatórios;
  • dificuldade na análise de tendências;
  • baixa eficiência.

Erros e imprecisões

O controle de ponto manual está sujeito a erros humanos, como registros incorretos, omissões ou preenchimentos ilegíveis. 

Esses erros podem levar a imprecisões na contabilização das horas trabalhadas e afetar a folha de pagamento.

Fraudes e manipulações

O controle de ponto manual é mais suscetível a fraudes e manipulações por parte dos funcionários e dos empregadores. 

Eles podem preencher os registros de forma incorreta ou falsificar informações, como registrar horas extras não trabalhadas. 

Consequentemente, isso pode resultar em pagamentos indevidos e prejudicar a equidade no tratamento dos funcionários.

Ainda, o controle manual pode levar a conflitos e disputas entre a empresa e os funcionários

Registros de ponto imprecisos ou desentendimentos sobre horários de entrada e saída podem gerar ressentimento e desconfiança. 

Isso pode prejudicar a relação entre a empresa e seus funcionários, bem como afetar negativamente o ambiente de trabalho.

Dificuldade de controle e análise

À medida que a empresa cresce e o número de funcionários aumenta, torna-se desafiador para os gestores de RH ou donos de empresas monitorar e analisar manualmente os registros de ponto. 

A compilação e a análise de dados se tornam demoradas e propensas a erros, dificultando a identificação de padrões de presença ou problemas de frequência.

Banner escrito:

Além disso, nesse processo manual pode ser desafiador garantir a conformidade com regulamentações trabalhistas e acordos coletivos. 

As regras podem ser complexas e variar de acordo com a legislação local e setorial. A interpretação e aplicação correta dessas regras no controle de ponto manual podem ser mais propensas a erros e inconsistências.

Atrasos no registro

Por que existe uma tolerância de atraso

Os funcionários podem esquecer ou atrasar o registro de seus horários de entrada e saída, resultando em informações imprecisas ou ausentes nos registros de ponto. 

Isso pode levar a problemas na contabilização correta das horas trabalhadas e afetar o pagamento dos salários — interferindo, diretamente, no fluxo de caixa da organização.

Vale mencionar que o controle de ponto manual requer esforços manuais intensivos, como coleta, revisão e cálculo dos registros de ponto. 

Esses processos são suscetíveis a erros humanos, consomem tempo e recursos valiosos da equipe de RH. 

Além disso, eles podem limitar a capacidade de automatizar tarefas e aproveitar a tecnologia para obter mais eficiência e precisão.

Falta de flexibilidade

O controle de ponto manual não oferece muita flexibilidade em termos de adaptação a circunstâncias especiais ou mudanças nos horários de trabalho. 

Pode ser difícil fazer ajustes ou acomodar situações como home office, horários flexíveis ou mudanças de turno.

Além disso, não há visibilidade em tempo real da frequência dos funcionários. Isso pode dificultar a identificação imediata de problemas, como ausências não autorizadas, chegadas atrasadas frequentes ou violações das políticas internas da empresa. 

A falta de feedback imediato pode resultar em uma resposta tardia aos problemas de frequência.

Insegurança e perda de dados

Os registros de ponto manual estão mais suscetíveis a perdas, danos ou até mesmo roubo. Cartões de ponto ou folhas de frequência podem ser perdidos, destruídos ou falsificados, levando a problemas de segurança e dificuldades em comprovar a veracidade dos registros.

Isso impede uma análise avançada de dados de frequência dos funcionários. A falta de recursos automatizados de análise de dados dificulta a identificação de padrões, tendências ou insights úteis para a tomada de decisões estratégicas do time de Recursos Humanos.

Dificuldade na geração de relatórios

A geração de relatórios detalhados e precisos com base em registros manuais pode ser um processo demorado e suscetível a erros. 

Isso dificulta a análise eficaz das informações de frequência dos funcionários e a tomada de decisões informadas relacionadas à gestão de Recursos Humanos.

Dificuldade na análise de tendências

controle de ponto manual

O controle de ponto manual pode dificultar a identificação de tendências ou padrões de frequência dos funcionários ao longo do tempo. 

Isso pode afetar a capacidade da empresa de identificar problemas de produtividade, absenteísmo ou outros aspectos relevantes da gestão de pessoas.

Baixa eficiência

O processo de coleta, compilação e processamento dos registros de ponto manual pode ser demorado e sujeito a erros. 

Isso pode resultar em uma menor eficiência operacional, uma vez que os gestores de RH ou responsáveis pela folha de pagamento precisam investir tempo considerável na administração do controle de ponto.

Já que está por aqui, confira também os nossos materiais relacionados:

Quais são as opções ao controle de ponto manual?

É importante destacar que não há nenhuma lei que exija a adoção de um sistema específico de controle de ponto. 

A escolha do sistema adequado cabe à empresa, levando em consideração suas necessidades específicas.

Existem diversos modelos disponíveis no mercado, porém, é possível afirmar que o sistema oferecido pelo Tangerino by Sólides é uma opção robusta e de alta qualidade. 

Ele conta com diversas ferramentas que garantem a segurança e eficiência no registro do horário, além de proporcionar diversos benefícios.

Antes de explorarmos mais detalhes sobre o sistema em questão, é válido fazer uma breve análise histórica dos principais modelos que surgiram ao longo do tempo. 

Isso ajudará a compreender a importância de optar por um sistema moderno e completo, considerando aspectos como o tamanho da equipe, os tipos de jornada de trabalho adotados e o orçamento disponível, por exemplo.

Confira, a seguir, algumas opções de controle de ponto para você adotar na sua empresa:

Controle de ponto por planilha

O controle de ponto por planilha é uma forma manual de registrar os horários de entrada, saída e intervalos dos funcionários utilizando uma planilha eletrônica, como o Microsoft Excel ou o Google Sheets. 

Nesse método, os funcionários preenchem manualmente a planilha com suas informações de horário.

Normalmente, a planilha é projetada com colunas específicas para registrar os horários de entrada, saída, início e fim dos intervalos de descanso, além de outras informações relevantes, como data e nome do funcionário. 

Os funcionários inserem os horários correspondentes nas células apropriadas ao chegarem e saírem do trabalho, bem como ao fazerem pausas durante o expediente.

É importante que a planilha de controle de ponto esteja acessível a todos os funcionários para que eles possam realizar os registros conforme necessário. 

Geralmente, a empresa disponibiliza a planilha em uma localização central, como uma rede compartilhada, para que todos os funcionários possam acessá-la facilmente.

Após os funcionários preencherem a planilha com seus horários, a equipe responsável pelo processamento da folha de pagamento ou a equipe de Recursos Humanos coleta essas informações para calcular as horas trabalhadas, horas extras, faltas e outras informações relacionadas à frequência dos funcionários.

Embora o controle de ponto por planilha seja uma opção mais simples e de baixo custo em comparação a outros métodos, é importante destacar que ele está sujeito a erros humanos, como registros incorretos, omissões ou preenchimentos ilegíveis. 

Além disso, pode ser difícil controlar e analisar manualmente grandes volumes de dados de ponto quando a empresa possui muitos funcionários. Portanto, é necessário ter cuidado ao utilizar esse método e considerar suas limitações.

Controle de ponto biométrico

O controle de ponto biométrico é um método automatizado de registro de frequência dos funcionários que utiliza características físicas exclusivas, como impressões digitais, para identificar e registrar os horários de entrada e saída. 

Esse sistema utiliza tecnologia biométrica para autenticar e registrar os dados de cada funcionário de forma precisa e segura.

O processo ocorre da seguinte maneira: primeiro, cada funcionário é cadastrado no sistema biométrico, onde suas características físicas exclusivas, como as impressões digitais e biometria facial, são registradas e associadas ao seu perfil no sistema.

Ao chegar ao trabalho, o funcionário coloca o dedo em um leitor biométrico específico, que analisa a impressão digital e a compara com os dados previamente cadastrados. 

Após a verificação bem-sucedida, o sistema registra automaticamente o horário de entrada do funcionário. Da mesma forma, ao sair do trabalho, o funcionário repete o processo, registrando o horário de saída.

Os registros são armazenados em um banco de dados seguro, garantindo a integridade e a confidencialidade das informações

Com os dados de ponto registrados eletronicamente, é possível processar e analisar as informações de forma rápida e precisa. Isso facilita o cálculo das horas trabalhadas, horas extras, faltas e outras métricas de frequência dos funcionários.

É importante destacar que o controle de ponto biométrico requer investimento em infraestrutura e equipamentos adequados, como leitores biométricos e softwares especializados. Portanto, é necessário considerar esses gastos antes de optar por esse sistema.

Controle de ponto online

O controle de ponto online é um método de registro de frequência dos funcionários que é realizado por meio de um sistema baseado na nuvem, acessível através da internet. 

Nesse sistema, os funcionários registram seus horários de entrada, saída e intervalos de trabalho utilizando dispositivos conectados à internet, como computadores, smartphones ou tablets.

O controle de ponto online oferece várias vantagens, como facilidade de acesso por meio de dispositivos conectados à internet, maior precisão e automatização no registro dos horários, facilidade de processamento e análise dos dados, além de possibilitar o acompanhamento em tempo real da frequência dos funcionários.

O processo de controle de ponto online ocorre da seguinte maneira:

Acesso ao sistema

Cada funcionário recebe credenciais de acesso, como um nome de usuário e senha, para entrar no sistema de controle de ponto online.

Registro do ponto

Ao chegar ao trabalho, o funcionário acessa o sistema online por meio de um dispositivo conectado à internet. 

Ele registra o horário de entrada pressionando um botão, preenchendo um formulário eletrônico ou utilizando outros métodos disponibilizados pelo sistema — como leitura da biometria facial.

Marcações durante o expediente

mulher sorrindo estendendo a mão enquanto segura celular

Ao longo do dia de trabalho, o funcionário pode fazer marcações adicionais para registrar intervalos de descanso, pausas ou qualquer outra necessidade relacionada ao controle de tempo.

Registro do horário de saída

No final do expediente, o funcionário registra o horário de saída da mesma forma que fez no momento da chegada.

Armazenamento dos dados

Todas as marcações de ponto são registradas e armazenadas no sistema online, em uma base de dados segura e acessível somente para a empresa e os funcionários autorizados.

Processamento e análise

Com os dados de ponto registrados eletronicamente, o sistema realiza automaticamente o processamento das informações, como cálculo de horas trabalhadas, horas extras, faltas e outras métricas relevantes. 

Isso facilita a geração de relatórios precisos e a tomada de decisões relacionadas à gestão de Recursos Humanos.

É importante ressaltar que o controle de ponto online requer uma infraestrutura tecnológica adequada, como um sistema de gerenciamento de ponto baseado na nuvem e dispositivos com acesso à internet. 

Além disso, é fundamental garantir a segurança dos dados, implementando medidas de proteção, como criptografia e autenticação segura, para proteger as informações dos funcionários.

Por que o Tangerino by Sólides é a melhor opção ao controle de ponto manual?

Como já mencionamos ao longo deste conteúdo, para superar os riscos de fazer um controle de ponto manual, muitas empresas estão adotando soluções de controle de ponto eletrônico, como softwares especializados ou sistemas biométricos. 

Essas soluções automatizadas oferecem maior precisão, eficiência e segurança na gestão da frequência dos funcionários, ajudando a mitigar os riscos associados ao controle de ponto manual.

O Tangerino by Sólides é uma solução de controle de ponto online que oferece diversas funcionalidades e benefícios para uma gestão de frequência acertada e tecnológica.

Algumas razões pelas quais o Tangerino by Sólides pode ser considerado uma opção vantajosa em relação ao controle de ponto manual incluem:

Automatização

O Tangerino automatiza o processo de registro de ponto, eliminando a necessidade de preencher manualmente planilhas ou cartões de ponto. Isso reduz erros e o tempo gasto na administração do controle de ponto.

Acessibilidade

O sistema pode ser acessado online a partir de dispositivos conectados à internet, permitindo que os funcionários registrem seus horários de qualquer lugar. 

Isso é especialmente útil para empresas com funcionários remotos, em home office ou que precisam registrar o ponto em locais diferentes.

Flexibilidade de marcação

O Tangerino oferece diferentes formas de marcação de ponto, como aplicativos móveis, relógios de ponto digitais ou leitores biométricos. Isso permite que as empresas escolham a opção mais adequada às suas necessidades e infraestrutura.

Controle e análise de dados

relatório de pesquisa

O sistema armazena os registros de ponto em um banco de dados seguro e oferece recursos de análise para acompanhar a frequência dos funcionários, calcular horas trabalhadas, horas extras, faltas e outras métricas relevantes. Isso facilita o processamento dos dados e a geração de relatórios precisos.

Conformidade legal

O Tangerino auxilia as empresas a cumprirem as exigências legais relacionadas ao controle de ponto, fornecendo recursos como o registro dos dados de acordo com a legislação trabalhista e a emissão de relatórios para auditorias e fiscalizações.

Tire suas dúvidas sobre controle de ponto manual

Você ainda tem dúvidas sobre o controle de ponto manual? Estamos aqui para responder todas as suas perguntas e discutir as melhores opções de controle de ponto para sua empresa. 

Vamos conversar sobre gestão de frequência dos funcionários e encontrar soluções mais eficazes juntos! Confira, a seguir, um resumo do que tratamos neste artigo:

Controle de ponto manual é legal?

Sim, o controle de ponto manual é legal e permitido pela CLT, que não especifica um método único de controle de ponto a ser adotado pelas empresas, dando a elas a liberdade de escolher a forma mais adequada de registrar a frequência dos seus funcionários.

Como fazer controle de ponto manual?

Distribua cartões de ponto aos funcionários e instrua-os a registrar seus horários de entrada, saída e intervalos. Monitore e calcule as horas trabalhadas.

Controle de ponto manual é o mais adequado para PME?

O controle de ponto manual pode ser adequado para PMEs com uma equipe reduzida, mas é importante considerar os desafios associados a esse método, como erros de registro, dificuldade de monitoramento em tempo real e maior risco de fraudes.

Já escolheu seu modelo de controle de ponto?

Como você pôde notar, com um aplicativo de controle de ponto você substitui facilmente o controle de ponto manual da sua empresa, sem a necessidade de grandes investimentos em aquisição de tecnologias.

Basta acessar a plataforma online, cadastrar sua empresa, registrar seus colaboradores e ensiná-los a baixar e utilizar o app de controle de ponto, que fica disponível em seus próprios smartphones e tablets.

Todos os registros são enviados diretamente para o seu sistema de gestão, a partir do qual é possível gerar relatórios parciais e completos do controle de ponto de cada colaborador.

Despertamos sua curiosidade para saber mais a respeito do aplicativo de controle de ponto que vai substituir seu controle de ponto manual?

Faça um teste gratuito do Tangerino by Sólides e comprove como a tecnologia pode facilitar a vida da sua empresa!

Banner branco com o texto: Faça a gestão de férias do seu time em uma só plataforma e acabe com a burocracia no DP. Conheça o gestão de férias; e uma pessoa usando o gestão de férias