Início > Departamento Pessoal > Data-base: conheça o significado e a sua importância
Departamento Pessoal

Data-base: conheça o significado e a sua importância

Tempo de Leitura: 8 minutos A data-base, pilar das relações trabalhistas, anualmente rege negociações entre empregadores e empregados, impactando salários e condições laborais.

FotoPor: Leandro Cazeiro 7 dezembro 2023 8 minutos
Tempo de Leitura: 8 minutos

A data-base desempenha um importante papel nas relações trabalhistas no Brasil, sendo um período dedicado à revisão salarial e reavaliação das condições de trabalho por meio de Acordos, Convenções ou Dissídios Coletivos.

Originada com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) em 1943, ela reflete a busca por equilíbrio nas relações entre empregadores e colaboradores.

Este artigo explora o significado e a importância da data-base, desvendando sua influência na remuneração e nas condições laborais.

O que é data-base?

data-base

A data-base, conforme estabelecido pela CLT, é o momento anual em que empregadores e empregados, representados por sindicatos, se reúnem para discutir e negociar ajustes salariais, benefícios e demais condições de trabalho.

Este momento é necessário para a manutenção de relações de trabalho justas e equilibradas, pois permite que as partes envolvidas possam expressar suas necessidades e expectativas, e trabalhar em conjunto para encontrar soluções que atendam a todos.

A data-base é determinada pelo aniversário da categoria profissional, ou seja, a data de criação do sindicato que representa a categoria. É nesse momento que são discutidos os reajustes salariais e as condições de trabalho para o próximo período.

Além disso, a data-base também é importante para a manutenção da transparência nas relações de trabalho. Ela permite que os trabalhadores tenham uma visão clara de seus direitos e deveres, e proporciona um mecanismo para que eles possam buscar melhorias em suas condições de trabalho.

Assine a newsletter do Tangerino

Assim, a data-base permite que as partes envolvidas nas relações de trabalho possam se reunir, discutir e negociar de forma eficaz, garantindo que as necessidades e expectativas de todos sejam atendidas.

História da data-base no Brasil

A data-base é um conceito que tem uma longa história no contexto trabalhista brasileiro. A sua origem remonta ao início do século XX, quando as primeiras leis trabalhistas começaram a ser implementadas no país.

No entanto, foi somente com a promulgação da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) em 1943 que a data-base foi formalmente estabelecida como um elemento fundamental nas relações de trabalho.

A CLT estabeleceu a data-base como o momento anual em que empregadores e empregados, representados por seus respectivos sindicatos, se reúnem para discutir e negociar reajustes salariais e outras condições de trabalho.

Este foi um marco importante na história trabalhista brasileira, pois proporcionou um mecanismo formal para a negociação coletiva de trabalho.

Ao longo dos anos, a legislação trabalhista brasileira passou por várias mudanças, e a data-base não foi exceção. Por exemplo, a Lei nº 7.238, de 29 de outubro de 1984, introduziu a garantia de emprego ao empregado nos 30 dias que antecedem a data-base de sua categoria, conhecida como “estabilidade pré-data-base”. Veja:

“Art 9º – O empregado dispensado, sem justa causa, no período de 30 (trinta) dias que antecede a data de sua correção salarial, terá direito à indenização adicional equivalente a um salário mensal, seja ele optante ou não pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS.”

Percebe-se, assim, como a data-base tem uma longa e rica história no contexto trabalhista brasileiro. Ela evoluiu ao longo do tempo para se adaptar às mudanças nas relações de trabalho e continua a desempenhar um papel essencial na promoção de relações de trabalho justas e equilibradas.

Leia também:

Legislação trabalhista relacionada à data-base no Brasil

A legislação relacionada à data-base no Brasil é regida principalmente pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que foi criada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Ela estabelece as normas que regem as relações individuais e coletivas de trabalho, incluindo as regras para a negociação da data-base.

Um ponto importante na legislação é a Lei nº 7.238, de 29 de outubro de 1984, que introduziu a garantia de emprego ao empregado nos 30 dias que antecedem a data-base de sua categoria, como vimos anteriormente.

Esta lei determina uma indenização adicional, equivalente a um salário mensal, no caso de dispensa sem justa causa.

As decisões judiciais também têm um papel importante na interpretação e aplicação da legislação relacionada à data-base. Por exemplo, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) tem emitido várias súmulas que fornecem orientações sobre como a legislação deve ser aplicada em casos específicos.

Em 2017, a legislação trabalhista no Brasil passou por uma reforma significativa com o objetivo de simplificar os processos, trazer mais segurança jurídica e tornar as leis trabalhistas mais atuais aos modelos de trabalho do século XXI.

Como funciona a data-base?

como funciona a data-base

O funcionamento da data-base é um processo que envolve várias etapas e requer a participação ativa de sindicatos representativos de empregadores e empregados. Acompanhe a seguir:

Apresentação das pautas

A primeira etapa é a apresentação das pautas de reivindicações por ambas as partes. Estas pautas podem incluir questões como reajuste salarial, benefícios adicionais, jornada de trabalho, entre outros.

Processo de negociação

Após a apresentação das pautas, inicia-se o processo de negociação. Este é um momento essencial, pois é quando as partes discutem as propostas e buscam alcançar um consenso que atenda aos interesses de todos.

É importante ressaltar que este processo pode ser complexo e demorado, pois envolve a análise de diversas variáveis e a busca por um equilíbrio entre as necessidades dos trabalhadores e as possibilidades dos empregadores.

Convenção Coletiva de Trabalho

Uma vez alcançado um acordo, este é então formalizado através de um Acordo Coletivo ou Convenção Coletiva de Trabalho. Estes documentos estabelecem as condições de trabalho para o próximo período, incluindo salários, benefícios, jornada de trabalho, entre outros aspectos.

A data-base também tem impacto no cálculo de contribuições como o INSS e o FGTS. Por exemplo, o valor do salário base utilizado para o cálculo destas contribuições é atualizado de acordo com o reajuste salarial definido na data-base.

Aproveitando o assunto, quer saber mais sobre a Convenção Coletiva de Trabalho? É só assistir ao vídeo a seguir e, claro, inscrever-se no canal da Sólides Tangerino para ter acesso a mais conteúdos incríveis como este!

Qual a relação entre data-base e convenção coletiva de trabalho?

A relação entre a data-base e a convenção coletiva de trabalho é muito próxima. Estamos falando de dois elementos fundamentais nas relações de trabalho.

A data-base é o período em que as negociações entre os sindicatos de empregadores e empregados ocorrem, com o objetivo de discutir e acordar sobre ajustes salariais, benefícios e outras condições de trabalho.

Banner de fundo claro, com texto

A convenção coletiva de trabalho, por outro lado, é o resultado dessas negociações. Ela é um documento legal que estabelece as regras e condições de trabalho que foram acordadas durante as negociações da data-base.

Essas regras podem incluir, por exemplo, o valor do salário, a jornada de trabalho, os benefícios oferecidos aos trabalhadores, entre outros aspectos.

Durante as negociações da data-base, os sindicatos apresentam suas pautas de reivindicações, discutem propostas e buscam alcançar um consenso. Uma vez que um acordo é alcançado, ele é formalizado na convenção coletiva de trabalho. 

Assim, a convenção coletiva de trabalho é, essencialmente, a materialização das decisões tomadas durante as negociações da data-base.

A convenção coletiva de trabalho tem validade legal e é vinculativa para os empregadores e empregados da categoria profissional em questão. Isso significa que as partes são obrigadas a cumprir as regras estabelecidas na convenção. Caso contrário, podem ser aplicadas sanções legais.

Dessa forma, a data-base e a convenção coletiva de trabalho são dois elementos-chave nas relações de trabalho. Eles permitem que empregadores e empregados negociem e acordem sobre as condições de trabalho de forma justa e transparente, promovendo relações de trabalho equilibradas e respeitosas.

Qual a relação entre dissídio e data-base?

dissídio

Dissídio e data-base estão relacionados porque o dissídio geralmente acontece quando as negociações durante a data-base não chegam a um acordo entre as partes envolvidas.

O dissídio, que significa “discórdia” ou “conflito“, é um processo judicial ou de negociação coletiva que ocorre quando empregadores e empregados não conseguem chegar a um consenso durante as discussões da data-base.

Se as partes não conseguem resolver suas divergências em relação a questões salariais ou condições de trabalho, o dissídio pode ser iniciado por um sindicato, seja dos trabalhadores ou dos empregadores, ou até mesmo pelo Ministério Público do Trabalho.

Assim, a data-base é o período designado para a busca de acordos, mas a existência do dissídio destaca as situações em que esses acordos não foram alcançados, levando a uma intervenção judicial ou arbitral para resolver as divergências.

Qual o período do data-base?

O período varia conforme a categoria profissional e é fixada durante as negociações entre sindicatos de empregadores e empregados. Geralmente, ela ocorre anualmente, mas pode ter uma periodicidade diferente, dependendo do acordo coletivo ou convenção estabelecida.

Por exemplo, alguns setores têm sua data-base no dia 1º de maio, enquanto outros podem escolher outro momento do ano.

Vale lembrar da importância que os trabalhadores e empregadores estejam cientes do período específico da data-base de sua categoria, pois é nesse intervalo que são discutidas e definidas questões salariais e condições de trabalho.

Aproveite a visita e confira alguns materiais ricos e gratuitos que separamos especialmente para você!

Pode demitir durante a data-base?

Sim, demitir durante a data-base é possível, mas a empresa deve agir com extrema cautela. Essa prática pode gerar impactos significativos nas negociações em andamento, levando a conflitos e até mesmo ao início de um dissídio.

Em muitos casos, demissões nesse período são vistas como uma estratégia desfavorável, pois podem ser interpretadas como uma tentativa de enfraquecer a posição dos trabalhadores nas negociações.

Além disso, a demissão durante a data-base pode resultar em obrigações adicionais, como o pagamento de indenizações e multas.

Assim, é aconselhável que as empresas avaliem cuidadosamente as consequências antes de tomar decisões relacionadas a demissões durante o período da data-base.

Quais os cuidados que a empresa precisa ter sobre demissão na data-base?

demissão por justa causa

Ao considerar demissões durante a data-base, as empresas precisam adotar uma abordagem estratégica e sensível às dinâmicas das negociações em andamento.

É fundamental comunicar claramente os motivos para as demissões, evitando qualquer percepção de tentativa de prejudicar as negociações coletivas.

Além disso, a empresa deve garantir que as demissões estejam em conformidade com a legislação trabalhista vigente, respeitando direitos e garantias dos trabalhadores.

Antecipar possíveis reações sindicais e adotar medidas para diminuir conflitos é de extrema importância.

Em casos específicos, pode ser benéfico buscar a orientação de profissionais especializados em direito trabalhista para garantir que todas as ações estejam alinhadas com as normativas legais e que a empresa esteja protegida contra possíveis implicações negativas decorrentes das demissões durante a data-base.

Próximos passos…

Como vimos, a data-base proporciona um espaço anual para a negociação justa e equilibrada entre empregadores e empregados.

Ao longo dos anos, a história da data-base evidencia sua evolução e adaptação às transformações nas dinâmicas laborais, solidificando seu papel na busca por condições de trabalho mais justas.

A legislação trabalhista, notadamente a CLT, estabelece as bases para esse processo, e a interligação entre data-base e convenção coletiva de trabalho demonstra como esses dois elementos operam em conjunto para definir os parâmetros que regem as relações laborais. 

O período do data-base, variável conforme a categoria profissional, destaca a importância da conscientização dos trabalhadores e empregadores sobre o momento específico em que são discutidas e delineadas questões de bastante importância para o próximo período.

A possibilidade de demissões durante a data-base requer extrema cautela por parte das empresas, considerando não apenas os aspectos legais, mas também os potenciais impactos nas negociações coletivas em curso.

Assim, ao compreender os cuidados necessários e adotar uma abordagem estratégica e sensível, as empresas podem navegar por esse período crítico com equilíbrio e respeito às normativas vigentes, contribuindo para relações de trabalho mais transparentes e harmoniosas.

Com a Sólides Ponto o fechamento da folha é: rápido e seguro

Leandro é gerente jurídico da Sólides Tangerino. Formado em direito (2009) e mestre em Desenvolvimento, Regulação, Concorrência, ambos pela Universidade Cândido Mendes RJ (2017). É Sócio-Fundador da CCSJ - Soluções Jurídicas. Há 6 anos atua e é especialista em direito trabalhista, empresarial e digital (LGPD), lidando com as rotinas legais do Departamento Pessoal e de Recursos Humanos, sobretudo aquelas que envolvem controle de ponto eletrônico, jornada de trabalho, tecnologia e proteção de dados. No Blog da Sólides Tangerino, escreve sobre legislação trabalhista e a legalidade do controle de ponto.

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será publicado. Os campos com * são obrigatórios.

Artigos Relacionados