Tempo de Leitura: 11 minutos

O universo corporativo tem aprendido nos últimos anos que existe diferença entre líder e chefe. O que você sabe a respeito?

Questões assim podem parecer meros detalhes, mas isso deixa de ser verdade, sobretudo quando a diferença entre um termo e outro leva a diferenças significativas para a realidade de uma organização.

Líderes e chefes atuam de formas distintas, não são vistos da mesma forma e causam impactos singulares em suas equipes. Consequentemente, a postura de cada um tem efeitos diferentes nos resultados de um negócio.

Siga em frente com a leitura para saber mais!

Qual a diferença entre líder e chefe?

diferença entre líder e chefe

Para falarmos sobre a diferença entre líder e chefe, é preciso compartilhar com você algumas ideias-chaves que ajudam a entender melhor essas duas figuras.

Em comum, podemos dizer que ambos têm poder de tomar decisões e estão à frente de um grupo ou equipe. É por isso que existe a tendência em acreditar que líder e chefe são palavras e funções sinônimas.

Entretanto, o líder é aquele que estimula cada membro de sua equipe a entregar o seu melhor dia após dia. Assim, é uma figura que inspira e que, para tanto, está mais próxima de cada colaborador.

Comunicação Interna

o chefe pode ser entendido como alguém que, assim como O Príncipe de Maquiavel, entende que “é melhor ser temido do que ser amado, quando se tem de desistir de uma das duas”.

O que isso nos indica? Que a principal diferença está na forma como cada figura exerce o poder e, consequentemente, como cada uma interage com seu time.

Quais os aspectos e características que fazem diferença entre um líder e chefe?

Ao indicar qual diferença entre líder e chefe, já compartilhamos aspectos que ajudam a identificar as características relativas a cada figura. 

Porém, é possível ir além para um entendimento ainda mais claro. Confira:

Características de um líder

Um líder consegue despertar o respeito da sua equipe não pelo “medo” em razão da posição hierárquica, mas pela proximidade e pela sua forma de se relacionar com os profissionais.

Tendo bastante conhecimento e experiência, o líder se coloca na posição de exemplo. Para tanto, se mantém mais perto de sua equipe, acompanhando seu dia a dia de trabalho e tornando-se uma inspiração.

Essa proximidade permite que seus conhecimentos sejam compartilhados mais facilmente, o que favorece o desenvolvimento da equipe e a motiva. Essa postura faz parte das características de um líder.

Ainda, o líder conhece os pontos fortes de cada profissional da equipe e suas características. Assim, sabe como orientar e motivar cada um da melhor maneira.

Também vale para os pontos fracos. Algo que nos leva a destacar que, para o líder, o diálogo com sua equipe é essencial para a conquista de resultados e para um bom clima organizacional.

Isso significa que o líder também sabe ouvir. Falamos de uma figura que abre espaço para que feedbacks sobre seu trabalho e conduta sejam feitos, e que sabe reconhecer suas falhas.

Mesmo que o respeito à hierarquia exista, o líder se coloca como membro de sua equipe e, por isso, a defende sempre que necessário.

O líder tem um papel bem importante na empresa quanto a retenção de talentos. Esse foi o tema de um de nossos Tangerino Talks. Confira:

Características de um chefe

Por sua vez, um chefe tende a despertar o respeito de sua equipe pelo exercício autoritário do poder. Falamos de alguém que evidencia a todos quem é que dá as ordens.

Assim como o líder, o chefe tem bastante conhecimento e experiência. Entretanto, não costuma se colocar como exemplo, mas como alguém que, por saber tanto, tem o direito de ditar as regras.

Tudo isso nos indica que o chefe impõe certa distância de sua equipe, algo que pode transformá-lo em uma figura intimidadora e avaliada como menos acessível.

Essa dificuldade de acesso também desfavorece as trocas. O chefe não tem a tendência de ouvir sua equipe no dia a dia, e isso pode desmotivar os que desejam compartilhar ideias ou simplesmente apresentar suas dúvidas.

Mais focado no sucesso dos processos e projetos, o chefe é menos preocupado com o bem-estar de sua equipe, com suas potencialidades e demandas ou com o clima organizacional.

Sendo assim, tem mais dificuldade em adotar estratégias para o crescimento de cada membro ou da equipe como um todo. Em alguns casos, o chefe entende que não precisa motivar ninguém porque fazer um bom trabalho não é mais do que a obrigação.

Com tudo isso, a tendência é que uma pessoa com perfil de chefe se pareça com um tirano e que, indubitavelmente, é sempre melhor ter um líder. Entretanto, não é assim 100% das vezes.

Um chefe ou alguém com perfil de liderança autocrática pode ser uma boa escolha para lidar com equipes pouco experientes ou diante de uma situação de crise, por exemplo.

Entretanto, é certo que essa figura é cada vez menos popular e que, por consequência, é crescente a ideia de que convém transformar chefes em líderes.

Por essa razão, deste ponto da leitura em diante, abordaremos a diferença entre líder e chefe tendo os líderes como referência.

Quais as atribuições de um líder?

A grosso modo, líder e chefe têm a mesma atribuição central: conduzir sua equipe para que essa contribua para a conquista dos resultados esperados para o negócio.

Porém, enquanto o chefe foca na parte prática, um bom líder é o que entende que o sucesso na conquista de resultados está atrelado ao bom desempenho de sua equipe e, por isso, atua para criar um ambiente positivo de trabalho.

Para criar esse ambiente, o líder busca conhecer o perfil e as demandas de cada membro de sua equipe para saber como motivá-los e obter o melhor de cada profissional.

Esse é um trabalho que o chefe normalmente não tem, uma vez que compreende que se os profissionais têm as competências técnicas para executar as tarefas, não é preciso identificar pontos fortes ou incentivar ninguém.

A diferença entre líder e chefe ainda nos leva a ressaltar que é papel do líder inspirar o comportamento da sua equipe. Isso diz respeito inclusive a reforçar condutas que estejam em conformidade com a cultura organizacional e corrigir as que não estejam.

Ainda, orientar a melhor forma de executar uma tarefa, ajudar na resolução de desafios e tomar decisões são atribuições que fazem parte do dia a dia de um bom líder.

Qual a postura de um bom líder?

Existem variados tipos de liderança. Como indicamos antes, considerando qual diferença entre líder e chefe, esse último se aproxima mais do estilo autocrático de liderança.

Veja alguns artigos relacionados:
👉 Liderança situacional: os detalhes desse modelo de gestão
👉 Liderança e gestão de pessoas: você faz isso direito?
👉 Liderança nas organizações: mais indispensável do que nunca

Por sua vez, a liderança democrática é o ponto antagônico e se encaixa bem à figura de líder que estamos descrevendo aqui. Entretanto, cabe ressaltar que também existem as lideranças liberal, situacional e a técnica.

Algumas questões diferem. Por exemplo, a liderança técnica depende de um nível mais elevado de aptidão técnica do líder. Entretanto, a postura ideal segue sempre a mesma essência.

Assim, com base em uma pesquisa de Sunnie Giles e seu artigo publicado na Harvard Business Review, apresentaremos  cinco categorias principais para que um líder tenha uma boa performance.

Perceba que, em meio a essas cinco atribuições em destaque, mencionaremos outras que também fazem parte da lista das características que, na avaliação dos participantes da pesquisa, um bom líder precisa ter.

Giles elencou 74 competências e pediu que os participantes destacassem as 15 mais importantes. O resultado nos leva para além do conhecimento técnico, contemplando também a necessidade de soft skills variadas.

Senso elevado de ética e comunicação clara

A pesquisa identificou e uniu dois atributos em uma mesma categoria: um padrão elevado de ética, moral e a habilidade de comunicar expectativas com clareza.

Entenda que, para um líder, ter altos padrões éticos significa ter compromisso com a justiça e isso é algo que passa confiança aos membros da equipe.

As regras apresentadas são cobradas de todos e se aplicam inclusive ao próprio líder. Assim, há menos espaço para injustiças que poderiam gerar rivalidades e conflitos.

Ainda, a comunicação clara das expectativas garante que todos os colaboradores conheçam bem as regras e suas tarefas. Algo que reforça a sensação de segurança reduz a baixa produtividade e outros problemas.

Incentivo à auto-organização

A autogestão é um conceito cada vez mais comum no universo corporativo. Falamos de uma “forma de gerir os colaboradores para que sejam cada vez mais autônomos e independentes”, sem recorrer ao líder o tempo todo.

Essa atribuição se relaciona diretamente com a habilidade de comunicar expectativas com clareza porque um colaborador só pode ser independente se souber, de fato, o que é esperado dele.

Nesse contexto, o incentivo à auto-organização está atrelado à capacidade de distribuir o poder e deixar que a equipe tenha mais autonomia para organizar seu tempo e trabalho.

Trabalho Remoto

Essa é mais uma diferença entre líder e chefe, já que um esse concentra o poder e prefere ter mais controle dos processos ao invés de ceder a essa flexibilidade.

Segundo Sunnie Giles no artigo mencionado, há pesquisas que indicam que times que têm mais autonomia são mais produtivos, apresentam níveis mais elevados de satisfação com o trabalho e atendem melhor a clientela.

Abertura ao aprendizado

Ainda seguindo as atribuições levantadas no artigo da Harvard Business Review, outra atribuição de destaque diz respeito a ser flexível para mudar suas opiniões.

Essa caraterística pode ser colocada lado a lado a outras duas também muito importantes: estar aberto a novas ideias e criar um ambiente seguro para tentativas e erros.

Mais uma vez, a diferença entre líder e chefe nos leva a dizer que, enquanto chefes tendem a ser contrários a mudanças e inovações por serem mais pragmáticos, líderes são mais abertos.

Por entenderem que o bom desempenho também pode vir da liberdade criativa e inovadora dos membros de sua equipe, o líder escuta e permite o risco para que algumas tentativas sejam feitas em busca de melhores resultados.

Isso, inclusive, favorece o aprendizado e a evolução de cada profissional ao invés de minar suas chances de aprender mais e crescer.

Incentivo ao crescimento

Considerando o que você acabou de ler, é natural que a capacidade de ajudar os membros de sua equipe a crescerem profissionalmente faz parte das atribuições de um bom líder.

Isso faz tanto com que o líder seja comprometido com o treinamento de funcionários quanto que ajude na formação de novos líderes. Uma combinação que certamente motiva a equipe e favorece a retenção de talentos.

Quando os colaboradores entendem que há incentivo ao seu crescimento, se sentem mais motivados a expressar sua gratidão buscando seu máximo desempenho.

Além do mais, correm atrás dessa evolução que tem tudo para ser positiva para a organização, inclusive considerando que esses colaboradores passam a se enxergar na empresa por mais tempo.

Promoção do sentimento de conexão e pertencimento

Por fim, temos que um bom líder aposta em uma comunicação frequente e aberta, assim como cria um entendimento de que o sucesso e o fracasso são coletivos.

A junção dessas questões serve de base para a conexão entre os membros da equipe e a uma sensação real de que fazem parte de uma equipe. 

Esse entendimento favorece o bem-estar emocional, assim como o trabalho conjunto.

Com um clima mais leve e o senso de parceria elevado, inimizades e competições desnecessárias são deixadas de lado. Assim, há menos necessidade de gestão de conflitos no dia a dia.

Como desenvolver um bom líder e chefe?

Apontar as diferenças entre líder e chefe é algo que carece ainda de uma reflexão: um líder pode ser um chefe, mas um chefe não pode ser um líder.

O estilo de liderança autocrática é ultrapassado, mas por muito tempo foi entendido como o mais “natural”. Quem tem mais poder manda e os demais seguem essas ordens.

Quebrar essa dinâmica requer um processo, inclusive visando o desenvolvimento de um bom líder. 

Chefiar tende a ser mais fácil e, para entender isso, basta considerar como o nível de envolvimento de quem deseja liderar precisa ser muito maior.

Assim, um líder se faz com o desenvolvimento de habilidades e com o acúmulo de experiência à frente de equipes

O RH tem um papel importante para orientar esse desenvolvimento, o que tem a ver com a criação de condições para que o plano de cargos e salários da empresa seja cumprido.

Destacamos alguns pontos importantes abaixo:

  • Identificar os pontos fortes do futuro líder ou líder em desenvolvimento. É interessante concentrar os esforços do líder naquilo em que ele mais se destaca, embora habilidades globais possam ser desenvolvidas. Assim, é necessário definir o papel de cada um para melhor direcionar esse desenvolvimento e deixar o entendimento do que é ser um bom líder menos abstrato;

  • Definir um padrão de desempenho para as lideranças da organização. Ainda que tenham perfis diferentes dada a sua individualidade e habilidades proeminentes, é preciso haver algo em comum no desempenho das pessoas que ocupam um papel de liderança na empresa. As atribuições que elencamos anteriormente precisam servir de norte a todos para que as diferenças entre líder e chefe fiquem claras e ninguém nesse papel haja de forma autocrática;

  • Aplicar avaliações de desempenho para ter um feedback da conduta de cada líder. Lembra-se de que dissemos que um líder precisa estar aberto à feedbacks, saber ouvir e reconhecer suas eventuais falhas? Não é possível formar um bom líder sem espaço para ajustes e melhorias. Assim, um bom processo de coleta de feedbacks é bem-vindo. Se aplicado com certa frequência, tende a favorecer uma evolução gradual e consistente. Ao RH, a sugestão é desenhar uma avaliação que questione sobre pontos específicos das atividades de um líder.

    Uma boa forma de fazer isso é com uma avaliação 360 graus, já que é a avaliação que fornece uma visão mais plural sobre o desempenho de um colaborador da empresa.

Quer saber mais sobre feedback? Confira esse episódio do Me Explica Ai!

Por que apostar no desenvolvimento de líderes?

A essa altura, você já sabe que bons líderes não nascem prontos. Ainda, precisa compreender que eles também não ficam disponíveis no mercado por muito tempo.

Assim, um dos motivos para apostar no desenvolvimento de lideranças é conseguir que os bons façam parte dos quadros de sua empresa.

Outro importante motivo é ter nesse papel profissionais capazes de contribuir para que a organização alcance o melhor resultado possível contando com o máximo desempenho de seus colaboradores.

Tendo em mente tudo que apresentamos sobre a diferença entre líder e chefe, já deve estar claro para você que tende ser mais fácil conseguir melhores resultados se um líder estiver à frente de cada equipe.

Veja a seguir algumas vantagens e, portanto, razões para desenvolver lideranças em sua empresa:

Ter uma liderança com bom fit cultural

O alinhamento entre o perfil de um profissional e a cultura organizacional é sempre muito interessante porque favorece a motivação e desempenho, além de reduzir as chances de um turnover elevado.

Quando falamos de um líder, o fit cultural é ainda mais importante porque o profissional nesse papel serve de exemplo inclusive para que a equipe tenha condutas que conversem com os valores da empresa.

Desenvolver líderes passa por selecionar colaboradores que já fazem parte dos quadros e já estão bem alinhados para assumir esse importante papel. As chances de sucesso são maiores.

Evitar gastos com uma contratação

O processo de recrutamento e seleção não é gratuito. Ainda que faça sentido muitas vezes, inclusive se a empresa precisa encontrar um líder com mais urgência, não é o único caminho.

Por vezes, encontrar um bom líder no mercado é algo que depende da prática do hunting em RH. Algo que consiste em uma abordagem especializada e direta até mesmo a profissionais que já estejam empregados.

Fazer isso pode demandar um investimento extra porque nem sempre as organizações têm um especialista interno em hunting

Portanto, investir no treinamento de lideranças pode ser mais estratégico.

Ter mais possibilidades à vista

O desenvolvimento de lideranças é um processo gradual. No momento em que um profissional está pronto para assumir o cargo de líder, outros podem estar evoluindo para ter a mesma oportunidade.

Isso também reduz o trabalho do RH na busca de líderes em potencial no mercado, além de possibilitar que a empresa conte com quadros cada vez mais qualificados.

Ganhar equipes mais engajadas

Ao explicar a diferença entre líder e chefe, indicamos como a liderança cria uma relação de proximidade com sua equipe e tem outras condutas que ajudam a aumentar sua motivação e engajamento.

Esse engajamento favorece a produtividade, a busca pelo autoaprimoramento, assim como a lealdade à organização e a retenção de talentos. Algo que pode, entre outras coisas, fortalecer a marca empregadora.

Encontrar mais facilidade para resolver gargalos

É fato que a gestão de pessoas é um desafio que toda empresa precisa encarar se quiser ser bem-sucedida. Contar com bons líderes é contar com profissionais que conhecem bem cada membro de suas equipes.

Isso nos leva a um cenário em que se torna mais fácil identificar possíveis gargalos ou problemas a nível pessoal ou coletivo. Consequentemente, é mais fácil também identificar e implementar soluções.

Confira esses materiais ricos do Tangerino!
📚 Recrutamento Inteligente: como os algoritmos podem colaborar com o seu processo seletivo?
📚 Bem-estar no trabalho: como garantir um ambiente saudável e aumentar o lucro da empresa
📚 Entendendo e construindo uma cultura organizacional forte: o guia definitivo
📚 Gestão de equipes externas: como otimizar os processos de RH e departamento pessoal?

Conclusão

A importância da diferença entre líder e chefe fica mais evidente em um cenário corporativo como o atual.

De um modo geral, os profissionais estão cada vez mais interessados em compartilhar suas ideias, em inovar e ter mais flexibilidade e autonomia no dia a dia de trabalho.

Essas expectativas não combinam com o perfil do chefe autocrático embora, como vimos, existam situações em que essa forma de exercício da liderança ainda faz sentido.

Entretanto, como a postura mais democrática e construtiva têm mais apelo, é interessante que empresas entendam o que é um bom líder e como atuar para o desenvolvimento dessa liderança que está cada vez mais em alta.

Esperamos que a leitura tenha sido útil nesse sentido e que logo sua organização conte com equipes mais motivadas e inspiradas por um líder ou uma líder que tenham as importantes atribuições que apresentamos ao longo do post.

Aprofunde seus conhecimentos: conheça os diferentes tipos de liderança existentes e entenda quais podem funcionar melhor em sua organização!

Teste Grátis Tangerino