Tempo de Leitura: 6 minutos

Fazer gestão participativa é o que há de mais flexível nas empresas atualmente. Trata-se de um método que propõe a colaboração de todos nas tomadas de decisão, independente do nível hierárquico. 

Entretanto, esse modelo ainda causa apreensão em profissionais de RH e em empreendedores. Por desconhecimento ou pouca experiência, muitas organizações deixam de implementar essa estratégia benéfica e humanizada.

Conheça o conceito de gestão participativa e descubra como implementá-la em apenas alguns passos!

Navegue pelo conteúdo:

O que é gestão participativa?

pessoas de costas com a mão estendida para cima representando gestão participativa

Trata-se de um modelo administrativo de liderança baseado na confiança, na colaboração e na liberdade. Na gestão participativa, colaboradores de níveis hierárquicos diferentes atuam em conjunto, pois há espaço para todos participarem das decisões. 

Além da confiança, a gestão participativa tem como premissa a interação entre líderes e liderados. Sendo assim, todos têm voz e participam ativamente dos processos. 

Banner de fundo claro, com texto

Outra característica marcante é o comprometimento dos profissionais. Ao se envolverem com os assuntos da empresa, os colaboradores se sentem parte do todo e contribuem com mais dedicação. 

O modelo participativo dissolve as barreiras estruturais, ampliando a sinergia, estimulando as trocas e gerando resultados. Por essas particularidades, ele ganha destaque junto à gestão por competência e à gestão por desempenho

A seguir, abordaremos as diferenças entre gestão participativa e outros modelos de gerenciamento bastante comuns nas empresas. 

Diferenças entre modalidades de gestão

Diversos modelos de gestão estão disponíveis para as empresas, cada um com suas particularidades. Aqui, destacamos o participativo como a mais flexível e aberta à inovação. Enquanto os demais seguem padrões rígidos, estabelecendo normas e regras, além de manter um estilo de comunicação unilateral. 

O objetivo não é determinar “o melhor” estilo de gestão, nem apontar o “vilão”. As organizações devem considerar que o método mais indicado é aquele que oferece mais vantagens para o negócio. A seguir, listamos os principais modelos de gestão e suas respectivas características: 

  • gestão por resultados: a prioridade é alcançar resultados efetivos em determinado prazo;
  • gestão de desempenho: busca avaliar o desempenho individual e coletivo da equipe considerando níveis de produtividade e eficiência;
  • gestão à vista: os colaboradores têm acesso fácil aos fatores de controle do negócio, geralmente, utilizando suportes visuais (quadros, televisores ou murais);
  • gestão de pessoas: o foco está no gerenciamento dos recursos humanos da empresa;
  • gestão por competência: está diretamente ligada ao conhecimento e às habilidades dos profissionais que integram os times. 

Qual a importância da gestão participativa?

O mercado de trabalho mudou muito nos últimos anos. Hoje, as organizações prezam pela agilidade e funcionalidade dos métodos. No entanto, empresas são feitas de pessoas e o capital humano continua indispensável para conduzir todos os processos

A gestão participativa é um modelo que promove a colaboração, estimulando as equipes a serem mais eficazes e unidas. Por esse motivo, ela é um dos processos de liderança mais adotados por empresas inovadoras. 

Aproveite para conferir também os artigos a seguir!

Quais os benefícios da gestão participativa?

Até aqui, entendemos que a gestão participativa é mais flexível e aberta à inovação, por isso, mais eficaz em momentos de crise. No entanto, essas não são as únicas vantagens de adotar esse método para gerenciar pessoas. Os benefícios vão além, confira. 

Comunicação mais integrada

Em um modelo de gestão autoritário, a interlocução é fortemente prejudicada. O engessamento dos processos e a falta de abertura impedem a troca de experiências, pois os colaboradores têm receio de opinar e sugerir ideias. 

Na gestão participativa, os líderes não somente abrem espaço para discussões como estimulam a comunicação eficiente entre as equipes, independente do setor. 

Aumenta a retenção de colaboradores

A possibilidade de fazer parte de processos colaborativos, em todas as etapas, fortalece o sentimento de pertencimento. Quando os profissionais percebem sua parcela de contribuição, a retenção de talentos ocorre sem muito esforço. A gestão participativa desperta o desejo de crescimento, tornando a empresa um bom lugar para trabalhar. 

Mais inovação e efetividade

A dinâmica de compartilhar a gestão de projetos, participar das decisões e trocar informações a respeito de tudo coloca todos no mesmo patamar. Nessas condições, cada decisão é voltada para o desenvolvimento da empresa, do negócio e das pessoas

Nesse ambiente, fica mais fácil inovar e buscar alternativas fora da curva. Lembre-se: a gestão participativa preza pela confiança e liberdade, um campo sem limitações ou barreiras. 

Comprometimento maior

Outro benefício marcante do modelo de gestão colaborativa é a responsabilidade. Quando somos parte de um processo, nosso comprometimento tende a aumentar. Além disso, a autonomia concedida aos colaboradores é resultado da confiança. 

Crescimento profissional e pessoal

Modelos de gestão convencionais não se preocupam em dar oportunidades. Com isso, o profissional acaba estagnado, sem perspectivas de mudança ou crescimento. É nesse cenário que a desmotivação se instala, afetando a produtividade da empresa. 

Banner com fundo claro escrito: Diagnóstico de Departamento Pessoal: o 1° passo para garantir +50% de rapidez no setor; e um botão escrito: faça o quiz agora

Por outro lado, a abertura e o incentivo proporcionados pela gestão participativa ampliam as possibilidades de desenvolvimento pessoal e profissional. Assim, aumenta-se o engajamento e melhora o clima organizacional. 

Redução de custos

A gestão participativa promove a redução de custos, pois a autoridade descentralizada faz com que as decisões ocorram no sentido de evitar desperdícios. O fato de todos atuarem juntos e com o mesmo propósito reflete na otimização dos recursos financeiros. O objetivo comum é produzir mais, gastando menos. 

Como funciona a gestão participativa?

Para ter êxito, a gestão participativa depende da descentralização da liderança e da motivação dos colaboradores. Desse modo, o RH consegue extrair a cooperação máxima para a execução dos processos. No entanto, para isso acontecer, ela se desenvolve a partir de três pilares. Acompanhe! 

Gestão participativa de resultados

Todas as fases do processo dependem de dados confiáveis e resultados de diferentes áreas para estimular o debate. Com as informações, a equipe consegue fundamentar decisões. A grande vantagem aqui é a descentralização da gestão, sem sobrecarregar as lideranças e sem emperrar o fluxo dos processos. 

Gestão participativa estrutural

Defende que a hierarquia excessiva prejudica a participação dos colaboradores, impedindo as decisões em conjunto. Nesse contexto, a troca de ideias e a manifestação de críticas ficam em segundo plano. 

Para minimizar esse aspecto, convém reavaliar os padrões da empresa, especialmente em relação aos cargos, promovendo mudanças estruturais capazes de reduzir a concentração de poder

Gestão participativa comportamental

Utilizada para abandonar formas de comunicação e de liderança que sejam impositivas e autoritárias. Com esse tipo de gestão, as empresas assumem um estilo mais informativo e propenso ao diálogo. Além disso, a figura do líder é responsável por estimular a autonomia dos profissionais, baseada na confiança e na cooperação. 

Os materiais a seguir podem ser do seu interesse. Faça o download gratuitamente!

Dicas para implementar na sua empresa

Ciente das vantagens que a gestão participativa oferece, chegou o momento de evoluir para a parte prática. Descubra, a seguir, como implementar esse modelo na sua empresa com dicas que não falham!

Aposte na comunicação transparente

A comunicação organizacional da gestão participativa prioriza a transparência. Nesse sentido, ela deve acontecer abertamente, sem amarras ou julgamentos. Os colaboradores precisam se sentir seguros para manifestar suas opiniões com liberdade.

Nesse sentido, o RH deve proporcionar espaço para que os diálogos aconteçam, tanto entre colegas de trabalho quanto com seus gestores. 

Dar transparência à comunicação também pressupõe dar feedbacks sinceros e empáticos, levando o profissional a refletir e melhorar. O clima deve ser acolhedor, estabelecendo o uso da comunicação não-violenta

Acompanhe a evolução dos processos

Os processos passam por todos os integrantes do time e isso pode parecer caótico, a princípio. Para não perder a nenhuma etapa, além da informação transparente e disseminada, é fundamental monitorar a evolução dos projetos

Acompanhar os desdobramentos também é uma forma de validar a recepção dos colaboradores diante das novidades. Essa supervisão não tem nada a ver com controle. Ela existe para dar suporte, individual ou coletivo. 

Compartilhe e comemore resultados

Se o trabalho é colaborativo, nada mais justo que os resultados também sejam, não é mesmo? A gestão participativa define que as conquistas devem fazer parte do grupo. Isso porque, todos precisam conhecer as vitórias e, até mesmo, os fracassos. Afinal, os erros existem para aprendermos com eles. 

Essa atitude faz parte da comunicação transparente, proposta no primeiro item da nossa lista. Da mesma forma, comemorar os resultados positivos também deve fazer parte da rotina nesse tipo de gestão. 

Tenha diálogos francos sobre gestão e hierarquias

Aplicar um teste de perfil comportamental é importante antes de implementar a gestão participativa. Desse modo, o RH consegue entender como as equipes se comportam diante de diferentes situações. Alguns profissionais se identificam com cargos de liderança, enquanto outros preferem trabalhar em grupos pequenos. 

Reforçamos que esse modelo preza pelo diálogo e requer aperfeiçoamento contínuo de todos os envolvidos. Sem deixar de lado a colaboração e a confiança para dar certo. 

Promova experiências novas com a equipe

Como modalidade dinâmica que é, a gestão participativa está constantemente promovendo a troca de experiências e vivências. Por isso, os colaboradores esperam por novidades e essa responsabilidade é da gestão de pessoas. 

Então, busque promover novos conhecimentos e oportunidades que favoreçam o compartilhamento de ideias. Esse cenário cria uma conexão positiva entre times, refletindo em diversos aspectos da vida profissional. 

Se você chegou até aqui, temos certeza que compreendeu todos os benefícios da gestão participativa. Independente de adotá-la agora ou mais tarde, tenha em mente que esse é um modelo flexível e cada vez mais aceito pelas organizações

Para receber mais conteúdos como esse, assine a newsletter do RH Portal e fique por dentro das novidades do setor!

Artigo produzido em parceria com RH Portal.

Com a Sólides Ponto o fechamento da folha é: rápido e seguro