Tempo de Leitura: 9 minutos

Você sabia que a ginástica laboral promove saúde e aumenta o desempenho no ambiente corporativo

A prática de algumas atividades físicas durante o expediente de trabalho é capaz de aliviar o estresse, diminuir o absenteísmo e até mesmo melhorar a produtividade.

E com práticas de gestão cada vez mais focadas no indivíduo, não é à toa que esse é um assunto cada vez mais importante para a promoção do bem-estar laboral.

Ficou curioso como a ginástica laboral pode potencializar os resultados da sua empresa beneficiando o colaborador no processo? 

Falaremos sobre os tipos e suas vantagens neste artigo! Encontre abaixo uma lista dos principais tópicos abordados e boa leitura.

O que é ginástica laboral?

pessoa de roupa social alongando músculo da coxa em pé em frente à mesa de escritório possivelmente praticando ginástica laboral

A ginástica laboral é a prática de exercícios físicos de curta duração durante a jornada de trabalho, ou seja, ela acontece no ambiente de trabalho.

Banner com fundo claro escrito: Kit de planilhas de RH e DP, controle e cálculos efetivos 
de ponto, férias e hora extra, avaliação de desempenho, PDI, pesquisa de clima. e um botão escrito baixe agora.

Trata-se de uma intervenção que dura entre 10 e 15 minutos com técnicas de alongamento e respiração, ajudando a prevenir problemas de saúde ligados à rotina do colaborador.

Imagine só um trabalhador que passa 8 horas em pé realizando movimentos repetitivos, ou mesmo sentado olhando para um computador. Não é difícil imaginar como essas atividades podem acarretar prejuízos para a saúde no longo prazo, certo? É justamente isso que a ginástica laboral tenta evitar.

Ademais, esse também é um ótimo momento para descontrair da rotina e desestressar o colaborador e aliviar as tensões físicas decorrentes de suas atividades.

Uma atividade muito realizada por empresas de vários nichos é o alongamento de membros superiores e inferiores, além de costas e pescoço. A prática previne doenças como Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e até mesmo dores de cabeça.

Contudo, as possibilidades não param por aí, por isso, conheça a seguir os tipos de ginástica laboral e suas finalidades.

Quais os tipos de ginástica laboral?

A ginástica laboral pode ser dividida em algumas categorias. Cada tipo irá se encaixar em um tipo de atividade específica.

Afinal, voltando ao exemplo que utilizamos acima, trabalhadores que realizam trabalhos braçais têm necessidades diferentes daqueles que passam o dia em escritórios.

Sendo assim, conheça os tipos de ginástica laboral:

Ginástica corretiva

A ginástica corretiva tem o objetivo de contrabalançar os efeitos negativos de uma atividade específica. Um exemplo muito comum de atividades que demandam muito do colaborador é o carregamento de peso.

Imagine a rotina desse trabalhador, o bíceps acaba sendo um dos músculos mais utilizados. Nesse caso, a ginástica corretiva visa fortalecer o tríceps a fim de equilibrar os efeitos negativos sobre a articulação do cotovelo.

Por outro lado, uma rotina de escritório pode ocasionar uma série de outras doenças ocupacionais, como LER e Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

Nesse caso, é importante alongar os músculos para evitar encurtamentos e promover algum tipo de movimentação para promover a circulação sanguínea

Portanto, é possível ver a relação direta desse tipo de ginástica laboral com a otimização da ergonomia do trabalho, proporcionando uma maior qualidade de vida aos trabalhadores.

Ginástica preparatória

A ginástica preparatória é realizada no início da jornada de trabalho, ou seja, ela serve para preparar o colaborador para começar as suas atividades rotineiras.

Através de ações de alongamento, o trabalhador prepara os seus músculos, o que ajuda na circulação sanguínea, na oxigenação do corpo e impactando diretamente em sua capacidade de concentração e disposição.

Também é comum que esses exercícios incluíam atividades para melhorar a resistência, flexibilidade e coordenação do indivíduo.

Ginástica compensatória

A primeira impressão é que a ginástica compensatória funciona de forma similar ao primeiro tipo listado, a corretiva.

Apesar da semelhança na nomenclatura, o principal objetivo aqui é quebrar a rotina, incentivando a prática de exercícios e oferecer mais dinamismo na jornada de trabalho.

Claro, como qualquer ginástica laboral, existem também objetivos específicos como o alongamento de músculos, correção de postura inadequada e aumentar a disposição para o restante da jornada de trabalho.

Ginástica de relaxamento

Quando se trata de relaxar, nada melhor que técnicas de meditação, respiração e massagem, não é mesmo?

A ginástica de relaxamento foca nessa abordagem a fim de aliviar as tensões do dia a dia, oxigenando as estruturas musculares para diminuir o acúmulo de ácido lático (responsável por câimbras) e também desobstruir a mente.

Essas práticas impactam diretamente na sensação de bem-estar e estão diretamente ligadas a ações de prevenção e correção.

Normalmente ela é realizada no final do expediente de trabalho e proporciona mais vigor para seguir com o dia.

Outras classificações

Existem ainda outras classificações que levam em consideração os principais objetivos de cada tipo de ginástica.

Conheça-as:

  • Ginástica postural: esse tipo está relacionado ao fortalecimento de músculos que tem pouco uso, ajudando no equilíbrio e alongando;
  • Ginástica terapêutica: nesse caso, são exercícios específicos para tratar distúrbios, patologias e alterações posturais identificadas na equipe;
  • Ginástica de conservação ou manutenção: tem o objetivo de manter os bons resultados decorrentes de outros exercícios já realizados.

Confira também os artigos a seguir:

Qual a importância da ginástica laboral?

Atualmente, tem-se um entendimento bastante compreensivo sobre como as atividades laborais atingem a saúde do indivíduo.

Sendo assim, a implementação de programas que mitiguem esses riscos é de extrema importância, promovendo a valorização do colaborador, demonstrando que a empresa realmente se importa com o seu bem estar.

Esse reconhecimento é ainda mais importante hoje em dia, pois o capital humano é o bem mais precioso de qualquer empreendimento. Atrair e reter bons profissionais, os chamados talentos, tem sido algo cada vez mais complicado.

Sendo assim, a ginástica laboral se encaixa não só como uma forma de valorização, mas também uma necessidade para qualquer empresa que coloque seu colaborador no centro da tomada de decisão.

Esse tipo de ação traz uma série de benefícios para os colaboradores e empresa, ajudando a diminuir a taxa de afastamento por problemas de saúde, aumentando a produtividade e melhorando os resultados.

Há ainda mais uma questão muito importante: quem não gostaria de trabalhar em um local que valoriza seus funcionários e investe em seu bem-estar?

A divulgação dessas atividades em redes sociais como Linkedin ajuda a promover a marca empregadora, consequentemente, atraindo mais talentos para trabalhar na empresa.

Fica claro que existem inúmeros benefícios que surgem ao investir em um programa de ginástica laboral, não é mesmo? 

A seguir, entraremos em detalhes sobre essas vantagens.

Quais os benefícios da ginástica laboral?

Agora, você já sabe o que é e a importância da ginástica laboral para a empresa, agora, adentraremos nos benefícios específicos de adotar essa estratégia. 

Banner com fundo claro escrito: Diagnóstico de Departamento Pessoal: o 1° passo para garantir +50% de rapidez no setor; e um botão escrito: faça o quiz agora

Os benefícios para a empresa

Aumento da produtividade e redução de faltas

O aumento da produtividade devido a ginástica laboral pode se apresentar de algumas maneiras.

A primeira é a diminuição do absenteísmo devido a doença do trabalho, que interfere na produção e aumenta o custo operacional.

Um estudo realizado por Laux e colaboradores em 2016 identificou uma queda de 51,52% na quantidade total de atestados apresentados, com ênfase para as doenças osteomusculares. 

E esta não é a única evidência científica que aponta para a diminuição das faltas devido à implementação de um programa de ginástica laboral.

Além disso, há também um efeito positivo nos níveis de estresse do indivíduo, o que o deixa mais motivado para voltar ao trabalho e performar bem.

Melhora o clima organizacional

A ginástica laboral é uma atividade dinâmica, divertida e que faz com que todos os colaboradores interajam entre si promovendo qualidade de vida e lazer durante o expediente.

Por sua vez, esse tipo de atividade coletiva oferece a base para um clima organizacional mais leve e agradável para todos os envolvidos.

Através da interação, em momentos de descontração como a ginástica laboral é possível integrar melhor os indivíduos e promover um melhor trabalho em equipe.

Reduz o turnover

Uma alta rotatividade é um problema para qualquer empresa, já que origina vários custos envolvidos na demissão de um profissional e contratação de outro. Além disso, externamente, gera impactos negativos na imagem da empresa. Enquanto internamente acaba piorando o clima organizacional.

A diminuição do turnover é de interesse as empresa e, ao institucionalizar a ginástica laboral, a empresa está enviando uma série de mensagens positivas para o colaborador, reforçando que ela se importa com o seu bem-estar e está disposta a investir para melhorar as condições de trabalho.

Os materiais gratuitos abaixo são relevantes para você:

Os benefícios para o colaborador

Prevenção de doenças

Existem inúmeros causas para doenças ocupacionais que vão desde uma má postura até mesmo o estresse excessivo.

Segundo o Conselho Regional de Educação Física, cerca de 3,5 milhões de pessoas acima de 18 anos já foram diagnosticadas com LER ou DORT no Brasil de acordo com uma pesquisa do IBGE.

Através da ginástica laboral, há uma diminuição da chance de desenvolver essas e diversas outras doenças ligadas ao trabalho; servindo não só como uma ação de promoção de saúde no ambiente corporativo, mas de valorização do colaborador.

Melhora a autoestima dos colaboradores

A prática de exercícios físicos libera uma série de hormônios que impactam diretamente na forma como nos enxergamos.

E por mais que se tente dividir a vida pessoal da profissional, elas são indivisíveis, já que a autoimagem permanece em ambos os locais.

Os exercícios laborais ajudam a compreender como o próprio corpo funciona e, mesmo que não sirva necessariamente para trazer resultados estéticos ou de condicionamento físico, certamente influenciam na construção de autoestima mais saudável.

Diminuição da sensação de fadiga

Qualquer trabalho pode gerar fadiga, seja por cair na rotina ou estar especialmente intenso, os colaboradores podem aproveitar uma pausa para focar no próprio bem-estar.

O aumento da oxigenação proporcionado pelo exercício também auxilia na revitalização do indivíduo e na quebra da rotina, ajudando-o 

Quem deve aplicar a ginástica laboral?

Por não ser uma atividade física como a que acontece nas academias, muitas pessoas acreditam que qualquer pessoa pode coordenar a prática da ginástica laboral. Essa concepção está equivocada.

Somente um profissional habilitado e devidamente reconhecido pelo Conselho Regional de Educação Física (CREF) deve elaborar um programa de treinamento para ser implementado na empresa.

Isso se dá porque é necessário realizar uma avaliação técnica sobre as necessidades específicas de cada ocupação, analisando também questões como:

  • horários de maior cansaço;
  • fatores estressantes ligados ao trabalho;
  • riscos presentes no local;
  • ritmo de trabalho; etc.

E não é só na criação do plano que o profissional de educação física precisa estar presente, mas também na execução da ginástica laboral, oferecendo aconselhamento na execução correta dos exercícios.

Um cenário muito comum nas empresas que criam esse programa é a contratação do profissional adequado, que logo dá espaço para um colaborador já presente na empresa, também conhecido como multiplicador.

Isso configura exercício ilegal da profissão de Educação Física ou Fisioterapia e pode trazer inúmeros problemas para a empresa. Por exemplo, um multiplicador pode requerer na justiça direitos referentes a acúmulo de função.

O que diz a lei sobre a ginástica laboral?

Atualmente a lei trabalhista brasileira prevê que as empresas precisam oferecer boas condições de saúde e segurança para os seus colaboradores. 

Apesar disso, não é uma obrigação a criação de um programa de ginástica laboral para a grande maioria das empresas. Entretanto é um benefício corporativo que pode diferenciá-la no mercado, atraindo talentos. 

Existem alguns projetos de lei como o no 6.213de 2005 cujo objetivo é instituir a ginástica laboral obrigatória em empresas que gerem esforço repetitivo.

Já no âmbito de órgãos governamentais a situação é diferente, o Projeto de Lei n° 3273 de 2019 encontra-se em tramitação e estabelece que instituições públicas do âmbito municipal, estadual ou federal devem oferecer ginástica laboral diária para seus servidores. Todo o funcionalismo público teria direito a essas atividades, independentemente de serem profissionais efetivos, comissionados, terceirizados ou estagiários.

Como o RH pode ajudar a aplicar a ginástica laboral no home office?

A primeira coisa a ressaltar neste ponto é que um profissional do RH não pode criar ou guiar as sessões de ginástica laboral.

Isso só pode ser realizado por um profissional de educação física ou fisioterapeuta.

Sendo assim, o primeiro passo do RH é realizar um amplo levantamento evidenciando:

  • principais causas de afastamento;
  • atividades desenvolvidas e seus riscos atrelados;
  • queixas comuns dos colaboradores.

Não somente, com o crescimento do home office é necessário pensar em ferramentas tecnológicas para levar o programa até o colaborador e promover atividades à distância.

Lembrando que mesmo à distância, as atividades devem ser desenvolvidas pelo profissional adequado.

Relembre os pontos esclarecidos neste artigo

O que é ginástica laboral?

É a prática de exercícios físicos de curta duração durante a jornada de trabalho.

Quais os tipos de ginástica laboral?

A corretiva tem o objetivo de contrabalançar os efeitos negativos de uma atividade específica. A preparatória prepara o colaborador para começar as suas atividades rotineiras. A compensatória quebra a rotina e oferece mais dinamismo na jornada de trabalho. A de relaxamento alivia as tensões do dia a dia.

Qual a importância da ginástica laboral?

Promovendo a valorização do colaborador e, com isso, auxilia a atrair e reter talentos. Além disso, ajuda a diminuir a taxa de afastamento por problemas de saúde.

Quais os benefícios da ginástica laboral?

Para as empresas, aumenta a produtividade, reduz faltas, melhora o clima organizacional e reduz o turnover. Para os colaboradores, previne doenças, melhora a autoestima e diminui a fadiga.

Quem deve aplicar a ginástica laboral?

Um profissional habilitado e devidamente reconhecido pelo Conselho Regional de Educação Física (CREF).

O que diz a lei sobre a ginástica laboral?

Não é uma obrigação a criação de um programa de ginástica laboral para a grande maioria das empresas. Entretanto é um benefício corporativo que pode diferenciá-la no mercado.

Como o RH pode ajudar a aplicar a ginástica laboral no home office?

Cabe ao RH fazer um levantamento para entender o tipo de atividade necessária aos colaboradores e então buscar um profissional adequado para desenvolver um plano de exercícios e aplicá-los.

Quer saber o que mais o RH pode fazer além da ginástica laboral para impactar positivamente o bem-estar dos colaboradores? Confira nosso artigo sobre qualidade de vida no trabalho!

Para modernizar seu DP sem complicações, Sólides Ponto