Tempo de Leitura: 9 minutos

Muitos líderes acreditam que a maioria dos ambientes de trabalho são considerados seguros para o colaborador. No entanto, a realidade mostra um cenário bem diferente. É possível afirmar que a segurança psicológica no trabalho é, infelizmente, incomum.

Sabe aquela reunião em que apenas uma pessoa fala, enquanto as outras estão de cabeça baixa anotando ou nem se atrevem a interromper o interlocutor? Essa é uma cena típica nas empresas, que mostra justamente o quanto os colaboradores são silenciados em certas situações.

No entanto, o que muitas pessoas não sabem é que garantir a segurança psicológica no trabalho pode trazer impactos positivos na receita da empresa, já que os funcionários se sentirão mais empenhados e produtivos. Isso cria uma vantagem competitiva para o seu negócio!

Quer entender o que é segurança psicológica no trabalho, qual é a sua importância e como implementá-la? Então, continue por aqui e confira o conteúdo na íntegra.

O que é segurança psicológica no trabalho?

pessoas reunidas em mesa de escritório fazendo gesto comemorativo simulando segurança psicológica no trabalho

Segurança psicológica no trabalho é saber que seus pensamentos serão ouvidos, mesmo que seja com notícias ruins, perguntas, preocupações, pensamentos pouco desenvolvidos, e até erros. 

Além disso, esse princípio garante que as pessoas se sintam livres e confortáveis para serem quem elas são, sem julgamentos ou juízos de valor por parte de colegas e líderes.

Controle de ponto para PME's: é realmente preciso?

Portanto, a segurança psicológica no trabalho é uma forma de garantir para seus colaboradores internos que eles não vão correr riscos interpessoais durante as suas atividades cotidianas. Isso é fundamental não só nas empresas que lidam com alta pressão no dia a dia, mas até mesmo nos negócios com core business mais tranquilo.

Na década de 1990, a pesquisadora Amy Edmondson chegou a esse conceito quando fez parte de uma pesquisa sobre erros de medicação em hospitais. Durante esse processo, ela conseguiu entender quais eram as condições ambientais que eram favoráveis ao surgimento de erros

Foi nesse momento que a pesquisadora entendeu a importância da segurança psicológica no trabalho como fator de prevenção a erros e desconfortos no ambiente laboral. 

Ela concluiu que, para que o trabalho intelectual floresça, o local deve fazer as pessoas se sentirem capazes de compartilhar seus conhecimentos, bem como suas preocupações, questões, erros e ideias, mesmo que ainda malformadas. 

Por que é importante investir na segurança psicológica no ambiente de trabalho?

Uma empresa que não tem um clima organizacional pautado na segurança psicológica tem uma equipe frágil, que não tem uma comunicação aberta, autêntica e criativa. Isso porque a criatividade está em propor ajustamentos frente a situações inesperadas ou complicadas da rotina de trabalho.

Essa situação leva ao adoecimento, um enfraquecimento da saúde mental da equipe. Isso, consequentemente, impacta os resultados da empresa. 

Então, já deu para notar que a segurança psicológica no trabalho é importante para valorizar o profissional, suas as ideias, as trocas e a confiança. Desse modo, têm-se uma equipe forte, que trará bons resultados para a organização.

Contudo, sua importância vai além dos fatores que mencionamos. Existem diversas outras vantagens que tornam essa característica vital para o sucesso das equipes de uma companhia.

Os impactos da construção de um ambiente emocionalmente seguro e confortável refletem também nos indicadores de RH. Um estudo da Gallup mostra que esse fator pode reduzir o turnover em 27% e aumentar a produtividade em 12%.

Os benefícios se apresentam em uma via de mão dupla. Os colaboradores se sentem empoderados para compartilhar perspectivas, enquanto o setor de Recursos Humanos obtém resultados positivos que podem impactar até mesmo no faturamento do negócio.

Com base em tudo que levantamos aqui até agora, podemos dizer que a segurança psicológica no trabalho é importante para:

  • as pessoas se sentirem seguras, bem e livres para serem elas mesmas no trabalho;
  • que se assumam riscos interpessoais;
  • manifestar ideias não populares;
  • criar a cultura da inovação (abertura para ideias sem medo de retaliação);
  • abrir espaços para aprender com os erros;
  • confrontar a autoridade sempre que necessário;
  • dar e receber feedback;
  • engajar em conflitos produtivos;
  • desenvolver a confiança e boa vontade.

Quais são os estágios da segurança psicológica no trabalho?

A segurança psicológica no trabalho pode ser observada de acordo com quatro estágios que medem o nível de liberdade e confiança que o ambiente transmite aos colaboradores.

É fundamental saber quais são, pois é através deles que agimos para medir e aumentar a segurança psicológica de uma equipe. Portanto, podemos dizer que eles ajudam a identificar melhorias na cultura organizacional

Veja quais são:

1. Segurança em pertencer

O primeiro estágio diz respeito ao desenvolvimento de um espaço aberto à inclusão. A empresa aceita as pessoas da forma que elas são e valoriza a diversidade de experiências, perfis, personalidades, entre outros fatores.

A partir disso, oferece-se um meio social no qual as pessoas podem se sentir incluídas e confortáveis para compartilhar suas perspectivas.

2. Segurança em aprender

A segurança em aprender corresponde ao quanto os colaboradores se sentem livres para perguntar, experimentar e errar sem haver algum tipo de constrangimento ou julgamento como consequência.

3. Segurança em contribuir

O terceiro estágio representa a confiança que os profissionais possuem para contribuir com o crescimento do negócio. O objetivo é que todos se sintam confortáveis em usar suas habilidades e experiências para aprimorar os processos.

4. Segurança em desafiar

Por último, a segurança em desafiar se refere à liberdade para sugerir e implementar mudanças dentro da empresa. Esse é o alicerce para a inovação. Os colaboradores precisam ter a possibilidade de questionar processos antigos para torná-los mais eficientes.

Confira também os artigos a seguir!

Como criar um ambiente com segurança psicológica?

Depois de entender o que é segurança psicológica no trabalho e por que você deve investir nessa área, é possível que esteja se perguntando: como criar um ambiente psicologicamente seguro? 

Não precisa se inquietar. Para isso, é necessário criar dois tipos de iniciativas: uma que incentive a comunicação interpessoal aberta com os colaboradores e outra que incentive o acolhimento das opiniões e dos feedbacks recebidos.

Veja, a seguir, cinco dicas que podem ajudar você a implementar esses princípios na rotina da sua empresa:

Promova a comunicação não violenta

A comunicação empática é baseada na compreensão do estado emocional e do ponto de vista da outra pessoa. Isso contribui para que as mensagens direcionadas aos colaboradores sejam claras e diretas, o que evita desconfortos, constrangimentos e ruídos na comunicação.

Uma dica importante é adotar as práticas da comunicação não violenta em seu dia a dia. Esse conceito foi criado pelo psicólogo Marshall Rosenberg com o intuito de trabalhar a comunicação como um meio de conexão e compaixão. Aliado à empatia no trabalho, as chances de criar um ambiente seguro e acolhedor são maiores.

Pratique a escuta ativa

Normalmente, o caminho para solucionar problemas de comunicação e promover um ambiente psicologicamente saudável é a escuta, não a fala. Logo, é interessante estimular que os colaboradores exerçam uma escuta ativa.

Esse conceito consiste em ouvir o outro com atenção, sem interromper, e fazer perguntas adequadas depois da fala para validar e compreender o ponto de vista apresentado.

Banner com fundo roxo e o texto

As conversas se tornam mais claras e efetivas com a aplicação dessa prática. Além disso, os conflitos são evitados, porque antes de adicionar sua perspectiva à discussão, busca-se entender o outro. De certa forma, é um ato que complementa a comunicação empática.

Aceite as vulnerabilidades

A vulnerabilidade é o sentimento de exposição, risco e incerteza que as pessoas experimentam quando colocadas em situações novas e desafiadoras. Em geral, isso acontece pelo medo de fazer algo errado.

Esse sentimento é totalmente comum, normal e, por isso, não deve ser rejeitado. O ideal é que a vulnerabilidade seja acolhida para que se possa criar a confiança de se expor e aprender algo novo.

Portanto, a normalização da vulnerabilidade e o incentivo ao enfrentamento da imperfeição são requisitos para que a empresa promova um espaço embasado na segurança psicológica. Nesse contexto, os colaboradores terão liberdade para perguntar e inovar.

Incentive a cultura colaborativa

A colaboração é uma característica notável de equipes que possuem uma comunicação saudável, clara e assertiva. Cooperar com os colegas de trabalho permite conhecê-los de forma aprofundada, o que facilita a identificação de ações que podem causar desconforto.

Após conhecer melhor essas particularidades de cada pessoa, torna-se mais simples o desenvolvimento de estratégias que viabilizem um meio de trabalho saudável. Além disso, a “intimidade” que a cultura colaborativa proporciona também é um fator que pode contribuir para que os profissionais se sintam livres a se expressar.

Estimule os feedbacks

O feedback é uma ferramenta indispensável para que os colaboradores saibam em quais pontos podem melhorar e que há liberdade para contribuir com a equipe.

Por isso, o ideal é que o feedback faça parte da cultura organizacional e seja aplicado continuamente de tempos em tempos, seja a cada quinze dias, mês a mês ou como fizer mais sentido.

Contudo, a liderança precisa estar preparada para receber feedbacks dos colaboradores e fazer com que eles se sintam confortáveis em fornecer sua visão sobre o negócio.

Como medir a segurança psicológica no trabalho?

Para medir a segurança psicológica no trabalho e saber se os passos que mencionamos anteriormente estão trazendo resultados, é necessário fazer uma pesquisa de campo, semelhante à pesquisa de clima organizacional

Peça para que sua equipe responde às perguntas abaixo de forma anônima, para que eles se sintam contáveis e forneçam respostas honestas:

  1. De uma maneira geral, eu me sinto confortável em trazer novas ideias ou em fazer perguntas que possam ser consideradas “bobas” diante da equipe?
  2. Eu me sinto confortável em expressar a minha opinião, mesmo que divergente, sempre que eu entendo ser necessário?
  3. É seguro assumir riscos perante a equipe?
  4. Se eu cometer um erro nesta equipe, certamente isso será usado contra mim?
  5. Eu me sinto confortável em pedir ajuda aos membros da equipe?
  6. Eu percebo que a equipe rejeita outros colegas por serem diferentes?
  7. Eu percebo que alguém da equipe poderia atuar intencionalmente para me sabotar ou minar meus esforços?
  8. Os membros da equipe se tratam com respeito e cordialidade?
  9. A equipe disponibiliza um canal eficiente para que eu possa trazer à tona questões relacionadas às minhas atividades?
  10. A equipe precisa tratar de problemas relacionados ao racismo, sexismo, machismo e outras ideias preconcebidas a respeito das pessoas?

A partir dos resultados obtidos com a pesquisa, é recomendado elaborar uma métrica que forneça o percentual de como está a segurança psicológica do seu time

Outra forma de validar essas informações é reunindo a equipe e apresentando os resultados. Promova a discussão dos dados e peça a opinião quanto ao que precisa ser melhorado.

Os materiais ricos a seguir podem ser do seu interesse. Baixe gratuitamente!

Quais os principais benefícios da segurança psicológica no trabalho?

A segurança psicológica no trabalho é benéfica porque promove a liberdade de se expressar, interagir ou mesmo aprender com os colegas de time. Mas, além disso, ela traz outras vantagens para a organização. Confira:

Aumento da produtividade

Quando a equipe está em segurança, ela se sente como parte da empresa e sabe a importância do seu trabalho para que a organização alcance bons resultados. 

Desse modo, as pessoas se tornam mais produtivas e comprometidas com as suas atividades e o crescimento do negócio.

Redução do turnover

Ao valorizar as ideias inovadoras e a segurança no trabalho, os profissionais são mais motivados no ambiente de trabalho. Como consequência, há uma diminuição na rotatividade de funcionários

Isso permite que a organização atraia novos talentos que desejem fazer parte da empresa.

Aumento da receita

A regra é simples: profissionais mais comprometidos com suas atividades tendem a trabalhar mais e melhor. Isso permitirá que a empresa tenha um lucro maior.

Isto é, promover a segurança psicológica não é benéfico somente para o funcionário. Pelo contrário, essa é uma estratégia benéfica para ambas as partes.

De quem é o papel de assegurar a segurança psicológica no trabalho?

A gestão é um fator que influencia diretamente na valorização ou não da segurança psicológica no trabalho.

Uma liderança autocrática, por exemplo, toma as decisões sem solicitar a opinião do time, que segue sem questionar. Nesse modelo de gestão, não há espaço para que os profissionais participem do processo de tomada de decisão, pois eles não se sentem à vontade para expor suas ideias — nem são encorajados para isso.

Por outro lado, uma gestão humanizada e democrática incentiva a participação dos profissionais em todos os processos, promovendo o compartilhamento de ideias e dando espaço para a criatividade.

Assim, o gestor mais democrático contribui para que a organização consiga colocar em prática segurança psicológica no trabalho.

Portanto, é importante que a empresa avalie se a gestão tem o perfil adequado e se está seguindo as determinações.

O papel do RH também é fundamental na construção desse pensamento, pois, ao buscar novos gerentes e coordenadores, ele deve procurar por pessoas que estejam dentro do perfil que a empresa busca, ou seja, alinhados ao fit cultural.

Pronto para aplicar esse conceito na sua empresa?

Esperamos que o conteúdo tenha ajudado você a entender a importância desse tema ainda pouco discutido nas organizações.

Como foi mostrado, a segurança psicológica é um senso de que a equipe não vai envergonhar, rejeitar ou punir alguém simplesmente por se pronunciar. Esse termo foi cunhado pela Dra. Amy Edmondson, professora de Harvard, e entendido por ela como uma crença compartilhada pelos membros de uma equipe de que aquele ambiente é seguro para a tomada de riscos interpessoais.

Ter segurança psicológica no trabalho implica em garantir que os membros da equipe possam expressar suas opiniões, darem ideias e fazerem perguntas livremente. 

Além disso, caso alguém tenha cometido um erro, é fundamental que essa pessoa saiba que a equipe estará lá para ajudá-la, e não para culpá-la, tornando o erro uma experiência de aprendizado e crescimento.

É crucial que o assunto da segurança psicológica no trabalho seja discutido e implementado nas corporações. Assim, será possível potencializar ao máximo todos os seus talentos e garantir o bem-estar da equipe como um todo.

Se interessou pelo tema e quer saber mais? Então, continue por aqui e confira qual é o papel do RH na manutenção da saúde mental no trabalho.

Banner branco com o texto: Faça a gestão de férias do seu time em uma só plataforma e acabe com a burocracia no DP. Conheça o gestão de férias; e uma pessoa usando o gestão de férias