Tempo de Leitura: 16 minutos

Auditorias deveriam ser uma prática adotada por todas as organizações, independentemente de uma obrigação legal para conduzi-las.

Mais do que isso, deveriam ser de interesse de gestores de diferentes setores ― inclusive do DP, sobretudo por sua responsabilidade no cumprimento de diferentes obrigações fiscais e trabalhistas.

Isso porque falamos de uma verificação necessária para o crescimento saudável de qualquer negócio, expondo possíveis erros nos processos e conferindo a mais transparência e segurança aos procedimentos da empresa.

Entretanto, a auditoria não deve ser feita somente quando eventuais erros estiverem evidentes. Diferentemente disso, é possível programar realizações anuais ou até semestrais. Contaremos mais sobre isso ao longo do artigo!

O que é auditoria?

auditoria

A auditoria é uma ferramenta de compliance; um processo que verifica documentos, registros financeiros, operações e da contabilidade de uma empresa.

O objetivo é entender se as regras internas estão sendo cumpridas, se os processos estão sendo desenvolvidos conforme o esperado e, claro, se tudo está sendo feito dentro da lei.

É justamente em função desse último ponto que, ao pensar sobre o que é auditoria, muita gente imagina que se trata de uma verificação associada a atividades ilícitas. Ou seja, uma forma de buscar e comprovar infrações que a organização tenha cometido.

Banner com fundo claro escrito: Diagnóstico de Departamento Pessoal: o 1° passo para garantir +50% de rapidez no setor; e um botão escrito: faça o quiz agora

Contudo, não é bem assim. No dia a dia, essa atividade tem um propósito muito alinhado ao da própria empresa: otimizar processos a fim de aumentar a sua eficiência, sua lucratividade e corrigir erros.

A identificação de fraudes também é algo fundamental dentro dessas empresas. Entretanto, realizar uma auditoria com esse fim em específico acaba sendo algo menos rotineiro.

Qual a função da auditoria?

Com a noção que já compartilhamos sobre o significado de auditoria, você já deve ter uma noção da função desse processo, que envolve:

  • avaliar os controles da empresa;
  • conferir padrões metodológicos;
  • atestar a confiabilidade das informações e procedimentos da organização;
  • verificar se a empresa está seguindo as normas contábeis e o correto envio de obrigações acessórias;
  • conferir transparência aos dados e segurança aos usuários que dependem desses dados.

Explorando o significado da palavra, auditar significa examinar, ajustar, corrigir e outras práticas afins. Assim, falamos de um processo que faz uma revisão completa dos registros financeiros — também chamada de auditoria contábil — e/ou operacionais de uma empresa.

A auditoria também se aplica a um projeto específico que esteja sendo realizado na organização ou já tenha sido concluído, ou até a um setor específico ― como o Departamento Pessoal.

Em todo caso, a auditoria é feita para verificar ações e documentos a fim de obter alguma informação ou certificação e, no fim, conferir credibilidade aos procedimentos da empresa por meio da completa transparência.

Além do mais, a eventual identificação de deficiências no controle interno e controle financeiro empresarial permite que se saiba como ajustar essas questões de forma eficaz.

Dessa forma, também podemos afirmar que a auditoria é algo fundamental para que as organizações possam crescer de maneira saudável.

Antes de continuarmos, que tal assistir ao episódio do De Frente para o DP que fizemos sobre auditorias? É só apertar o play e, claro, inscrever-se no canal da Sólides Tangerino:

Qual a importância da auditoria na empresa?

É fácil entender que algo que ajude a empresa a crescer tem significativa importância, certo? Para ampliar essa compreensão, vamos apresentar motivos que contribuem para que a auditoria cumpra esse propósito. Veja só?

Fornece uma visão objetiva

Pessoas muito envolvidas com o contexto geral da empresa, de um projeto ou setor, podem perder a objetividade ao fazer uma análise. Isso dificulta uma visão clara sobre os processos.

Como a auditoria sugere que um consultor externo ou outra pessoa com menor grau de envolvimento conduza a verificação, torna-se possível contar com uma visão objetiva e mais estratégica sobre a situação.

Quanto a isso, vale um adendo: se a organização não tem verba para contratar alguém de fora para conduzir a auditoria, pode escolher e treinar um colaborador para auditar diferentes departamentos.

Dessa forma, também é possível ter essa visão “externa” capaz de apresentar um retrato mais fiel da situação e gerar insights valiosos para a tomada de decisões.

Dificulta os desvios

A auditoria também é importante porque cria um empecilho extra para qualquer desvio de recursos, ativos e passivos da organização. Isso porque a ciência de que a verificação será feita ― e conduzida por pessoas éticas ― desestimula qualquer tentativa de fraude.

Otimiza as operações e o controle interno

É natural que processos fiquem defasados com o tempo, inclusive porque a prática diverge da teoria que, no princípio, foi a base para o planejamento e o desenho das operações da organização.

Por vezes, um olhar externo percebe essa defasagem ― ou outros tipos de falha ― com mais facilidade. Sendo assim, a auditoria é importante porque contribui para que estratégias ineficientes ou inadequadas sejam corrigidas. Algo que favorece a eficiência e melhora o controle contábil da empresa.

Leia também:

Verifica os números do financeiro

Por falar nisso, a auditoria refina o controle financeiro a partir da análise sistemática de seus documentos contábeis. Nesse processo, é possível identificar erros e procurar formas de resolvê-los definitivamente.

A tarefa pode ser desafiadora e levar meses até que seja concluída, mas é um trabalho necessário para garantir a correção dos processos da empresa e evitar problemas legais e financeiros.

Algo imprescindível a um crescimento saudável, não é mesmo?

Estimula boas práticas

Ainda, a auditoria propicia um ambiente de constante transparência em que todas as pessoas envolvidas nas operações da empresa são incentivadas a agir com ética, respeito às normas internas e à legislação.

Isso, por consequência, reprime transgressões que poderiam levar a desvios e reduz erros que poderiam afetar a conformidade fiscal da organização.

Prepara a empresa para o futuro

Por fim, a auditoria prepara a empresa para um futuro mais estável e longevo. Isso porque, ao corrigir operações e melhorar o controle, faz com que seja mais fácil escalar processos e rumar ao crescimento dos negócios.

Em outras palavras, tentar identificar previamente os possíveis problemas que serão encontrados no futuro é uma excelente forma de evitar contrariedades que dificultem o desenvolvimento da organização.

Além disso, o processo de auditoria é algo que deve estar profundamente impregnado na cultura organizacional do negócio. Assim, ajuda a perpetuar um contexto de transparência e correção a favor do crescimento saudável.

Quando fazer uma auditoria?

A auditoria não deve ser feita somente quando há obrigação legal ou quando as coisas não vão bem. Diferentemente disso, é válido fazê-la para melhor compreender os processos da empresa, aprimorá-los e garantir uma gestão eficaz.

A depender do porte ou da área de atuação, uma organização pode ser obrigada por lei a realizar auditorias semestrais ou anuais, contando com auditores externos.

Para saber um pouco mais sobre isso, vale conferir o que diz o artigo 3° da Lei n° 11.638, de 2007:

“Aplicam-se às sociedades de grande porte, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por ações, as disposições da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, sobre escrituração e elaboração de demonstrações financeiras e a obrigatoriedade de auditoria independente por auditor registrado na Comissão de Valores Mobiliários”.

Ainda há casos específicos:

  • instituições financeiras: categoria na qual se enquadram bancos e fundos de investimentos que devem submeter-se a auditoria a cada seis meses;
  • empresas de capital aberto: que devem ser auditadas todos os anos.

Escolha preventiva ou comprobatória

Além disso, empresas de qualquer porte ou atividade podem optar por realizar auditorias para:

  • avaliar a eficiência dos processos;
  • melhorar seus procedimentos;
  • prevenir erros e fraudes;
  • identificar riscos à governança corporativa;
  • comprovar os dados apresentados pela contabilidade;
  • conferir mais transparência e credibilidade aos processos.

O DP e a auditoria de fim de ano

Como já indicamos antes, essa verificação pode ser focada em um único setor, sendo possível fazer uma auditoria no DP. Também nesse caso, devem ser seguidas normas brasileiras e internacionais aplicáveis a documentações, transações, procedimentos e finanças.

Para o DP, um bom momento para conduzir essa verificação é o fim de ano, tendo por objetivo melhor se preparar para as rotinas de fim/início de ano. Isso porque, conforme vimos, a auditoria indica caminhos para melhorar processos e controles, tornando-os mais eficazes e corretos.

Quais os principais tipos de auditoria?

tipos de auditoria

Talvez a verificação financeira e contábil seja a mais conhecida de todas, mas representa apenas um entre os vários tipos de auditoria existentes e que sua empresa pode aplicar, veja só:

  • auditoria interna;
  • auditoria externa;
  • auditoria financeira e contábil;
  • auditoria de gestão;
  • auditoria de qualidade;
  • auditoria operacional;
  • auditoria de compliance;
  • auditoria de folha de pagamento e outras.

Seguramente, para saber qual ou quais podem ser interessantes para a sua organização, mais detalhes se fazem necessários. É o que trazemos na sequência.

Auditoria interna

Como o nome sugere, a auditoria interna é realizada por profissionais da própria empresa. Em geral, ocorre quando a Contabilidade da organização conduz todo o processo de verificação para inspecionar rotinas, encontrar vulnerabilidades, erros, desvios e outros problemas que possam existir.

O objetivo é minimizar riscos para a empresa, identificando processos que precisem ser aprimorados ou criados para corrigir gargalos ou falhas.

Acontece que a proximidade do profissional com a organização pode dificultar uma visão objetiva do processo (conforme já apontamos). Assim, é bom considerar capacitar um colaborador menos ligado ao setor/projeto ou contratar um auditor externo.

Auditoria externa

Por falar nisso, a auditoria externa é aquela que é realizada por especialistas de fora da organização. O objetivo é o mesmo, mas há a vantagem de contar com alguém bem mais isento, o que tende a levar a verificações mais confiáveis.

Vale lembrar que empresas de grande porte ― a saber, as que têm faturamento superior a R$300 milhões ou ativos totais que superam R$240 milhões ― são obrigadas a optar por esse tipo de auditoria.

Qual a melhor auditoria? Interna ou externa?

Depende. As auditorias interna e externa podem ser estratégias complementares. Entretanto, se há necessidade de escolher apenas uma, há fatores que podem ajudar.

O primeiro passo é entender quais as necessidades da organização nesse momento no que diz respeito a uma auditoria.

Por exemplo: se o objetivo é simplesmente refinar os processos para torná-los mais eficientes, uma verificação interna pode bastar. Entretanto, se o foco é validar os dados da contabilidade, é mais interessante contratar um profissional ou consultoria externa.

Aproveite a visita e confira alguns materiais ricos e gratuitos que produzimos para potencializar o seu DP:

Auditoria financeira e contábil

Esse tipo de auditoria consiste na análise minuciosa do patrimônio da empresa e da sua administração a fim de verificar se as diretrizes internas e os princípios contábeis estão sendo seguidos.

O processo valida a aplicação dos recursos da organização, avaliando se estão sendo aplicados de maneira eficiente e rentável, e ajuda a reduzir os índices de improbidade corporativa.

Para tanto, os extratos bancários são confrontados com os registros contábeis e o fluxo de caixa e é aqui que possíveis fraudes são expostas.

A parte contábil se ancora na análise de documentos justamente para conferir se as demonstrações feitas pela contabilidade são compatíveis com as situações financeira, econômica e patrimonial da organização.

Por meio dessa verificação interna e da apuração de dados externos, é possível identificar possíveis falhas e até mesmo fraudes e outras irregularidades. Isso ocorre a partir de técnicas e procedimentos específicos que o auditor usa para analisar os registros e apontar eventuais.

Com problemas devidamente identificados, bem como suas causas e consequências, é possível saber como corrigi-los e garantir maior segurança contábil e transparência.

Auditoria fiscal e tributária

Em paralelo a isso, também pode ocorrer uma auditoria fiscal e tributária para assegurar o cumprimento das obrigações relativas ao pagamento de impostos. Algo importante para evitar infrações tributárias ou crimes legais, além de recuperar o pagamento de tributos não devidos.

Para tanto, a auditoria avalia se todos os impostos foram pagos nas datas corretas, se erros foram cometidos nesses processos e, caso tenha acontecido, como corrigir esse problema de uma vez por todas.

Os principais impostos avaliados na auditoria são:

  • COFINS: Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social;
  • CSLL: Contribuição Social sobre o Lucro Líquido;
  • IPI: Imposto sobre Produtos Industrializados;
  • IRPJ: Imposto de Renda de Pessoa Jurídica;
  • ISS: Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza;
  • PIS: Programa de Integração Social;
  • SPED ECF: Escrituração Contábil Fiscal
  • SPED ICMS: Escrituração Fiscal Digital.

Auditoria de gestão

Auditoria de gestão

Já a auditoria de gestão foca nos processos administrativos e operacionais capazes de impactar os resultados finais apurados pela contabilidade ― ou seja, aqueles que podem gerar lucro ou prejuízo para a organização.

Para tanto, o desempenho de gestores e a rentabilidade da empresa são avaliados para:

Banner com fundo cinza o texto
  • identificar a existência (ou não) de recursos à disposição dos gestores;
  • avaliar se os recursos estão sendo aplicados com eficiência;
  • indicar melhores práticas a serem implementadas.

Auditoria de qualidade

Por sua vez, a auditoria de qualidade tem por objetivo fazer uma análise estruturada e documentada de sistemas, processos e produtos para oportunizar a correção de eventuais falhas.

Uma série de requisitos é verificada para identificar se os parâmetros de gestão e qualidade estão sendo capazes de levar aos resultados esperados ou se ajustes são necessários.

Para tanto, dados realistas são coletados para avaliar conformidades e não conformidades, o cumprimento de requisitos legais, a eficácia do atendimento ao cliente e mais.

A partir disso, torna-se possível padronizar práticas, aumentar a produtividade, reduzir custos e melhorar a satisfação de clientes internos e externos.

É interessante saber que empresas que passam por essa auditoria recebem certificação ISO 9000, que é considerada uma vantagem competitiva no mercado.

Auditoria operacional

Outro tipo de auditoria é a operacional que foca nos membros da administração e no desempenho de suas funções com o propósito de:

  • encontrar falhas e irregularidades no processo operacional;
  • investigar a causa de ineficiências e desperdícios;
  • validar o desempenho do setor e seu processo operacional;
  • garantir que as ações operacionais administrativas estejam alinhadas com as políticas internas, planos e diretrizes;
  • verificar a adequação dos controles gerenciais internos.

Nesse processo, são avaliados os custos operacionais, o crescimento da empresa, o patrimônio, sua situação financeira, as projeções e a viabilidade financeira para a realização de novos projetos.

Tudo isso contribui para que os profissionais da administração atinjam os 3 Es: eficiência, eficácia e economicidade em sua gestão.

Auditoria de compliance

O compliance diz respeito a estar em conformidade com regras e padrões estabelecidos por Normas Regulamentadoras, textos legais, política interna e outros instrumentos.

Sabendo disso, a auditoria de compliance é feita para que procedimentos, ações e treinamentos sejam estabelecidos a fim de fazer com que todos entendam como devem executar suas tarefas.

Isso favorece o respeito a normas e procedimentos próprios de cada tarefa ou atividade e ajuda que gestores atuem em todos os níveis hierárquicos para garantir a conformidade dos processos conduzidos pelos colaboradores.

Entre as consequências, estão a redução do risco de falhas graves, fraudes e outros riscos, o aumento da eficiência dos processos e a preservação da imagem institucional.

Importante ressaltar que, para realizar esse controle e ser capaz de avaliar os seus colaboradores, uma empresa deve ter um código de conduta disponível a todos e cujas normas internas estejam claras.

Confira outros conteúdos do blog da Sólides Tangerino:

Auditoria de folha de pagamento

Por fim, entre os principais tipos de auditoria, temos uma que interessa diretamente ao Departamento Pessoal; a auditoria da folha de pagamentos.

Nesse processo, os auditores verificam todos os documentos e cálculos relativos à remuneração das pessoas contratadas pela empresa, além do pagamento de férias, do repasse de tributos e do cálculo do acerto trabalhista.

A correção dos processos é avaliada em relação aos cálculos e ao respeito às regras estabelecidas pela CLT e pelas Convenções ou Acordos Coletivos de Trabalho.

O objetivo, além de melhorar a qualidade dos processos do setor, é evitar irregularidades que, se constatadas também pela Receita Federal, podem gerar até mesmo multas retroativas (regra que se aplica desde a efetivação do eSocial, considerando os últimos cinco anos do calendário).

Como é feita uma auditoria?

Mesmo já sabendo o que é auditoria na empresa, você pode ter dúvidas acerca de como essa verificação é feita. Para ajudar a esclarecer, desenhamos um passo a passo da estrutura básica desse processo:

  1. Definição de quais setores devem passar pela auditoria (ou se toda a empresa será auditada) e dos objetivos.
  2. Designação dos profissionais internos que serão capacitados para fazer a auditoria ou contratação de especialistas/consultoria externa.
  3. Definição dos pontos que demandam mais atenção no processo de verificação.
  4. Disponibilização, por parte da empresa, dos documentos solicitados para a realização da auditoria.
  5. Aplicação de técnicas e estratégias de verificação de dados e processos.
  6. Entrega de relatórios com conclusões e direcionamentos para melhorias.

Note que é fundamental entender a demanda de momento da empresa para entender o tipo de auditoria a ser realizada. Além disso, a parte da aplicação das estratégias de verificação tem importância de destaque para que o processo funcione.

Assim, independentemente de quais sejam os passos adicionais que detalhem ainda mais a estrutura de uma auditoria, é necessário escolher bem quem irá conduzi-la.

Quem é o responsável pela auditoria?

No que diz respeito a uma auditoria fiscal e contábil, segundo o Conselho Federal de Contabilidade (CFC), somente um contador devidamente habilitado pode conduzir uma auditoria. Por lei, nenhum outro profissional pode fazer essa verificação, nem mesmo caso possua diploma de graduação em área afim.

Essa regra merece atenção especial das organizações de grande porte que têm obrigação legal de contratar auditorias independentes para as verificações.

Em outros casos, vale lembrar da possibilidade de capacitar um profissional interno para conduzir o processo.

Quanto a isso, vale colocar na balança o custo-benefício ― considerando que o treinamento demanda algum investimento ― e pensar nos objetivos buscados com a verificação.

Por que é importante realizar auditoria no DP?

Agora que você já sabe o que é auditoria e conhece mais detalhes dessa medida, vamos a um recorte que muito nos interessa: a auditoria feita para verificar a integridade das operações e otimizar os processos do DP.

A ideia é analisar as práticas estabelecidas  e seguidas pelo setor de modo a definir se as políticas internas, normas e legislações estão sendo devidamente seguidas.

Isso é importante, sobretudo, para identificar e corrigir irregularidades, evitando problemas que afetem as pessoas e a própria organização. Para que esse entendimento fique ainda mais claro, confira os principais motivos para conduzir uma auditoria no DP:

Identificar e corrigir falhas

Como qualquer outro setor, o DP pode ter falhas em seus processos. A auditoria ajuda a identificá-las porque oportuniza que os procedimentos do setor sejam mapeados e seu desempenho analisado.

A partir disso, fica mais fácil identificar gargalos e falhas para orientar correções em prol da eficácia. Considerando que o setor lida com burocracias de alta complexidade, uma análise como essa é sempre bem-vinda.

Aproveitando o assunto: quer saber quais são alguns dos maiores terrores (ou melhor, erros) do Departamento Pessoal? É só conferir o post abaixo, publicado no Instagram da Sólides Tangerino:

Promover a redução de custos

A auditoria no DP também identifica processos desajustados que se tornam mais onerosos do que deveriam ser, ajudando na tomada de decisões para a redução de custos relativos ao setor.

Como consequência, o DP ganha eficiência e evita ser um setor que pesa o orçamento da organização, podendo até fazer uso mais estratégicos dos recursos que lhes são direcionados.

Manter a adequação às normas

Em boa parte, as burocracias de alta complexidade com que o DP lida diariamente têm a ver com a robustez da nossa legislação trabalhista e com as atualizações frequentes na lei.

Nesse cenário, a auditoria evita que exceções à regra e novidades passem despercebidas, garantindo que o setor consiga conduzir seus processos com a devida concordância às normas.

Evitar ações trabalhistas

Aliás, o processo de auditoria contribui para que a empresa corrija falhas antes que essas virem alvo de um Auditor Fiscal do Ministério do Trabalho.

Além disso, permite que o DP otimize seus processos de modo a assegurar que a empresa respeite os direitos dos trabalhadores, evitando que eles próprios movam uma ação contra a organização.

Conferir transparência e credibilidade

O DP é responsável por cuidar dos processos burocráticos trabalhistas e mediar a relação entre a empresa e as pessoas contratadas. Para o público interno e para o externo, a credibilidade e transparência nessa atuação importam.

As pessoas da organização precisam ter motivos para confiar que o DP não tem nada a esconder. Quanto a isso, vale lembrar que é o setor quem cuida da remuneração, incluindo os repasses que garantem o acesso a benefícios.

Além do mais, as pessoas e o mercado se atentam à reputação da marca enquanto empregadora e player em seu setor. E essa reputação tem a ver, entre outros fatores, com o correto cumprimento das obrigações trabalhistas.

Frente a isso, a auditoria do DP é uma medida para antecipar problemas e corrigi-los o quanto antes, mantendo a credibilidade do setor e da organização.

Para ler mais tarde:

Melhorar o relacionamento interno

Por falar nas pessoas da empresa, quando a auditoria assegura o cumprimento das obrigações e o respeito aos direitos trabalhistas, evita reclamações. Aliás, abre caminho para uma relação positiva entre trabalhadores e DP.

É sempre bom lembrar que o Departamento Pessoal é um setor estratégico justamente pelo impacto que suas responsabilidades têm na vida dos profissionais que atuam na organização.

Se o DP busca o aprimoramento constante dos seus processos, indica que o setor e a empresa têm respeito pelos trabalhadores e estão longe de agir de má-fé.

Aumentar o engajamento dos colaboradores

Pegando um gancho no ponto anterior, realizar a auditoria no DP é importante para aumentar os níveis de satisfação das pessoas com a organização e buscar um impacto positivo em seu engajamento.

Costumeiramente, essa conversa se volta mais para a atuação do RH na gestão de pessoas, mas convém lembrar que tudo o que o DP faz serve de base para essa gestão mais humanizada que está cada vez mais em alta.

Um conjunto de fatores que, por consequência, ajuda a fortalecer a cultura e a melhorar o clima organizacional.

Quer se aprofundar no assunto? É só apertar o play:

Principais dicas para fazer uma auditoria no DP

A essa altura, nos resta compartilhar com você dicas úteis para fazer uma auditoria no DP da sua empresa, avaliar os procedimentos do setor e avaliar sua eficiência.

Seja a partir da capacitação de um profissional ou equipe interna ou da contratação de uma consultoria independente, o objetivo deve passar por identificar possíveis falhas que levem a pagamentos indevidos de verbas trabalhistas, recolhimento incorreto de tributos, multas e outros problemas.

Ainda, a partir disso, a auditoria deve gerar relatórios com informações e insights para garantir o respeito às normas, a recuperação de verbas e para reduzir eventuais reclamações trabalhistas.

Para tanto, devem ser observados:

  • o processo de admissão e documentação contratual;
  • o cumprimento da jornada de trabalho e efetividade do sistema de registro de ponto;
  • a folha de pagamentos (lembrando que há uma auditoria específica para esse fim);
  • o recolhimento de impostos relativos ao FGTS e INSS;
  • o pagamento de direitos como as férias e o 13° salário;
  • segurança e medicina do trabalho;
  • terceirização e pagamentos a prestadores de serviço;
  • os processos de rescisão contratual e pagamento do acerto trabalhista;
  • a gestão de benefícios (obrigatórios e não obrigatórios);
  • riscos previdenciários e trabalhistas;
  • outros controles do DP (PAT, folha negativa, autorização para descontos em folha, contribuição sindical e outros);
  • reclamações trabalhistas.

A lista é grande e compatível com tudo o que faz parte da rotina do DP. A auditoria do setor pode ser trabalhosa, especialmente considerando que o processo deve ser minucioso para que seja efetivo.

Quais são os principais erros evitados?

Como temos dito, a auditoria do DP ― bem como de qualquer outro setor ― ajuda a identificar erros que precisam ser corrigidos. Na melhor das hipóteses, consegue-se passar um pente fino em tudo, mas há pontos a destacar.

Entre os erros mais comuns do setor e que podem ser priorizados pela auditoria, estão a má gestão de horas extras ou banco de horas, descontos e benefícios equivocados, falhas no recolhimento do FGTS e terceirizações indevidas.

Se essas situações te parecem corriqueiras e inofensivas, repense e movimente-se para que a auditoria do setor aconteça o quanto antes porque todas essas questões são capazes de gerar grandes impactos.

O processo de auditoria e as rotinas do DP

Auditorias não devem ser feitas apenas quando é inegável que as coisas não vão bem ou porque a empresa é obrigada.

Na verdade, a verificação deve ser vista como uma postura proativa em busca da otimização de processos e do aprimoramento constante das práticas da organização e de seus setores.

Considerando o DP, de modo especial, o movimento de definir qual tipo de auditoria buscar e como garantir uma realização cuidadosa depende diretamente do conhecimento profundo das responsabilidades do setor.

Do contrário, é possível que processos sejam esquecidos ou não sejam devidamente investigados em busca de falhas e oportunidades de melhoria.

Sabendo disso, nossa dica é que você confira o artigo sobre todas as rotinas do Departamento Pessoal, publicado aqui no blog da Sólides Tangerino!

Quer simplificar seu DP? É Sólides e Ponto!